Pages

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2007

Trote & Humilhação ou Desabafos de uma bixete

Esse texto é meio que um desabafo.

Hoje teve o café-da-manhã na facu, patrocinado pelo reitor. Eu não fui, porque disseram que o trote seria nesse café. Fui para assistir às palestras de apresentação do curso para (tentar) ficar mais ou menos por dentro do que acontece lá.

Cheguei lá pelas 10h da manhã, queria saber onde era o Anfiteatro I, perguntei a umas meninas que estavam por ali, e descobri que eram minhas veteranas e elas foram legais, escreveram algo no meu rosto, me deram um nariz de palhaço, penduraram uma placa com meu nome e apelido que deram na hora, "Atrasilda", deram uns toques sobre o kit bixo. Tirei um pé do tênis e entreguei a uma delas porque elas pediram. Entrei no Anfiteatro, assisti às palestras (mais ou menos) esclarecedoras. Lá pelas 11h30, fizeram a gente sair de "elefantinho" (os bixos demos as mãos por baixo das pernas uns dos outros) e fomos andando até uma piscina de plástico cheia de água ao lado da quadra. Jogaram alguns bixos e bixetes lá dentro (!!). Sem comentários. Ouvi algumas bixetes comentarem que estavam doloridas, provavelmente porque empurraram-nas pra dentro da piscina a força... imagina se alguém desloca a bacia por causa de uma brincadeira idiota igual a essa?

Depois teve o pedágio e eu fui saindo de fininho, mas tinha que pegar o pé do meu tênis. Falei com algumas veteranas e fui levada a uma salinha, acho que é a sala da Atlética. Lá estavam três veteranos, sendo que um era o Presidente da Atlética, a outra era Presidente de não sei que outra coisa e um outro menino que também era de algum dos grupos da facu. Pedi meu tênis de volta, disse que não ia pagar porque não tinha dinheiro e que já estava atrasada pro trabalho. O Presidente da Atlética disse que eu teria que pagar R$ 15 e não estava brincando. Argumentei que eu não era obrigada a pagar nada e nem a participar desse tipo de coisa. Daí a veterana argumentou (?) que esse dinheiro ia todo para as festas, que eles não ficavam com nada, que se eles não cobrassem esse dinheiro, iam precisar cobrar dos bixos pelas festas (então que cobrem, oras! pelo menos quem não quiser/puder ir, não precisa pagar...). Comentei que eu nem ia pras festas, aí o outro menino comentou que eu tinha que ir, blablá. Então o digníssimo Presidente da Atlética fala: "Esses bixos são foda. Dá logo o sapato dela pra ela ir embora logo que eu não quero mais ver a cara dela... É por isso que essa faculdade está essa bosta. E se eu ver [sic] você em alguma festa..." (não fiquei pra ouvir o resto da frase, agradeci pelo par de tênis que o outro menino me passou e saí da sala). Não sei se era pra tanto, mas me senti muito mal em ouvir isso, pra mim foi muito constrangedor. Fico imaginando que tipo de pessoa ele é, e que profissional/colega ele vai ser. E o pior é que ele falava como se ele estivesse com toda a razão, como se eu não tivesse mesmo nenhum direito de chegar e dizer: "Não posso pagar" ou "Não quero pagar".

Talvez por já ter "passado da idade" ou por nunca ter tido idade/paciência pra pessoas que obrigam os outros a fazer coisas que não querem, não concordo com esse tipo de trote, essa pressão psicológica para fazer coisas, pra daí ser considerado "cool" e ser aceito pela turma. Por mim, participa quem quiser, paga se quiser, vai pro pedágio e/ou pra piscina se quiser. Essa história de que "todo mundo" TEM que passar por isso para se integrar não cola. Há mil e um jeitos de se fazer essa integração.

Sou muito mais a favor do trote solidário: doação de alimento, de sangue, de tempo.

À noite tem mais. Já vamos ter aula, além do "apadrinhamento" (cada veterano vai "adotar" um bixo/uma bixete, para auxiliá-lo(a) no que for necessário durante esse ano - isso eu achei bem bacana!) e talvez mais trote (?). Mas, sinceramente, estou com medo.

Não é bobagem, tenho motivos REAIS para ficar com medo-quase-pavor de veteranos e trotes. Há algumas semanas, li na Folha de S. Paulo que os veteranos da Unicid (desconheço a universidade, mas, se não me engano, é de São Paulo, capital), inclusive de uma garota que havia passado em odonto, RASGARAM A ROUPA DELA (e de outras bixetes), CHAMARAM-NA DE "PUTA" OU ALGO DO TIPO, ALÉM DE TIRAR A CALCINHA E SUTIÃ DELA NUMA ESTAÇÃO DE METRÔ (!!!!!!!!!!!!!). Ela fez um boletim de ocorrência na polícia. Não consigo colar o link aqui, mas quem quiser saber mais, é só digitar "trote unicid" (sem aspas) no Google que dá pra achar fácil a matéria. Não tenho palavras para comentar o caso.

Nenhum comentário: