Pages

sexta-feira, 16 de março de 2007

A ilusão viaja de trem - Buñuel

Vi esse filme ontem à noite e não gostei. Por ser do Buñuel, achei que fosse gostar muito (no fundo, eu esperava outra coisa, por isso me decepcionei um pouco), porque adoro "A Bela da Tarde" e "O Anjo Exterminador".

Tarraja e Cacheado são dois funcionários de uma empresa de bondes da Cidade do México. Depois de terem consertado o bonde 133, vão até o diretor e este diz que o bonde, na verdade, deveria ser desmontado, pois não estava mais em condições de uso. Depois disso, eles ficam chateados, pois de nada valeu sua eficiência, e vão tomar cerveja. Depois de beber, vão a uma festa, onde encontram Lupita, irmã de Tarraja e para quem Cacheado arrasta uma asa; Lupita é uma moça cheia de frescuras e de fala afetada, parece imatura para a idade que aparenta (entre 20 e 25 anos) e é meio interesseira (comenta sobre o carro de Fulano ou de Ciclano). Depois de sair da festa, Tarraja e Cacheado compram um engradado de cerveja e têm a "brilhante" idéia de beber dentro do bonde 133, que está ali perto. Eles bebem muito e colocam o bonde para funcionar, comentam que só vão dar uma volta e depois vão devolvê-lo para a garagem. Durante a viagem de bonde (o "trem" do nome do filme se refere ao bonde... acho que "A ilusão viaja de bonde" ficaria estranho, por isso colocaram "trem"), vários personagens sobem e descem e ocorrem várias situações inusitadas: passageiros levando pedaços de carne (inclusive uma cabeça de porco), beatas levando uma imagem de Jesus Cristo sangrando, crianças de um colégio que, junto com a professora, estão indo para uma excursão, um velhinho que já trabalhou para a companhia de bondes, mas que foi aposentado e que quer denunciá-los por "roubo". No fim, o diretor da companhia não descobre a confusão e o velho faz papel de idiota (ele alertou o gerente por telefone e pessoalmente sobre o suposto "roubo" do bonde, mas, quando o diretor foi com ele até a garagem, Tarracho e Cacheado haviam acabado de chegar e fingiram que só estavam verificando; o homem responsável pela entrada/saída de bondes também afirma que o 133 não havia saído dali naquele dia.

O filme é branco e preto e achei que ficou bom assim. Esse filme não tem tantos elementos surrealistas quanto os outros do Buñuel que já vi, tanto que se eu o visse sem saber de quem era, eu não saberia que é um filme dele... mas bueno, agora sei do que se trata (o título despertava o meu interesse).

Nenhum comentário: