Pages

segunda-feira, 23 de julho de 2007

Cultura do sucesso

Estou limpando a caixa de e-mails e reli essa mensagem. Gostei do texto, mas gostei ainda mais porque o assunto da mensagem era assim: "Li e lembrei de você" e, no corpo do texto, antes da transcrição da matéria, esse amigo escreveu: "Aline! Olha que interessante. Deves sentir orgulho, viu?". Por causa do verbo conjugado na segunda pessoa... é, ele é gaúcho... :) Eu gosto dos gaúchos/da cultura gaúcha. Ainda quero morar alguns anos em Porto Alegre e me tornar uma verdadeira "prenda oriental" - hahahahaha - (talvez, daqui uns anos, a desculpa será: "quero fazer especialização em tal coisa e o melhor curso da área é o da UFGRS e por isso preciso ir pra lá..."). A maioria das pessoas acreditaria, será que não? ;)


CULTURA DO SUCESSO

Pesquisa mostra que jovens de origem asiática vão mais longe nos estudos e estão deixando brasileiros para trás.

De acordo com o Ipea (Instituto de Pesquisa Aplicada) 37% dos alunos de origem asiática concluem a universidade – quatro vezes mais do que a média dos estudantes brasileiros. Uma das razões é simples e mensurável: eles estudam mais. Enquanto um típico aluno brasileiro estuda cinco horas por dia, os que vêm de família coreana, chinesa ou japonesa dedicam pelo menos oito horas ao estudo. Eles repetem no Brasil a fórmula aplicada em seu país de origem. Kaisô Beltrão, autor do estudo diz que os asiáticos estão deixando o restante da população para trás.

Em salas de aula (tipo da Polilogos) se ouve apenas a voz do professor (sim, os alunos asiáticos costumam permanecer em silêncio durante as aulas.

Os estudantes de origem asiática não sobressaem apenas na escola. Um levantamento feito pela USP revela que eles chegam a ocupar 20% das vagas nas carreiras mais disputadas, como medicina e engenharia. O número surpreende uma vez que, na população brasileira, os asiáticos são bem poucos: apenas 0,45%. Nos EUA a situação é semelhante. Não passam de 4% da população mas em Standford são donos de 24% das vagas. “Eles têm o estudo no DNA” diz a especialista americana Soo Kim autora de um livro sobre o assunto.

As famílias asiáticas entenderam há muito tempo que o sucesso depende de sacrifícios e paciência para esperar pelos resultados.

(Revista Veja, 23 de maio de 2007, p. 88.)


Um comentário:

Crisinha disse...

E eu sou a exceção da regra!!!!!
Totalmente!!!