Pages

domingo, 8 de julho de 2007

Os Miseráveis - Billie August

Minha tia havia me emprestado esse DVD há muito tempo e eu não estava tendo tempo de ver, mas ontem, finalmente, vi.

Sinceramente, não esperava muito do filme, acho que pela capa, que me deu a impressão de ser uma história como as outras, com pessoas que querem fazer justiça pelas próprias mãos, algum romance e final feliz. Engano meu.

É um filme americano, de 1998, baseado na obra de Victor Hugo e, apesar de a história se passar na França (a maior parte, em Paris), todos falam inglês *risos*. Curiosamente, esse filme também tem um viés religioso que, ao contrário da história retratada no filme "Em nome de Deus", mostra como verdadeiros homens de Deus podem interferir para sempre na vida das pessoas.

Jean Valjean é um homem que foi condenado a 20 anos de prisão e trabalho forçado por ter roubado comida. Quando ele sai, é acolhido por um bispo, que o trata não como um criminoso, mas como uma pessoa, dando-lhe comida e uma cama para dormir. No meio da noite, Jean acorda e rouba os talheres de prata da casa do bispo e quando este acorda com o barulho, Jean bate nele e foge. Quando os policiais chegam com o criminoso algemado na casa do bispo, dizem, rindo, que ao ser capturado, Jean havia dito a eles que ele, o bispo, havia dado os talheres para ele. Surpreendentemente, o bispo confirma a versão de Valjean e, ainda, dá a ele os castiçais de prata que valiam muito dinheiro. A sós, o bispo lhe diz algo do tipo: "Comprei sua alma, a partir de agora você é um servo de Deus, trate de ser um novo homem". A partir disso, Jean Valjean realmente se transforma em uma outra pessoa, muito mais humana, com valores altíssimos. Depois de nove anos o vemos bem sucedido, como prefeito e comerciante de uma pequena cidade no interior da França. Tudo vai bem até que um policial novo (Javert) é contratado para trabalhar naquela cidade; Javert fora fiscal na pedreira em que Jean Valjean fora obrigado a trabalhar, cumprindo pena, e quer, de todas as formas prejudicá-lo. Mas Valjean é nobre, muito nobre, não desiste de seus princípios.
Uma das coisas mais nobres que Valjean faz é assumir a responsabilidade de criar uma criança, filha de uma ex-funcionária sua, despedida injustamente sem o seu conhecimento, e que vem a falecer. Ele promete a ela que vai cuidar de sua filha, Cosette, e realmente cumpre a promessa.

Assim que puder, quero ler o livro!

Nenhum comentário: