Pages

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

"Cada um pode com a força que tem...

... na beleza e na doçura de ser feliz".

Ando meio viciada em Vanessa da Mata. "Onde ir" é a minha favorita.

Vim escrever, mas nem sei bem o quê.

Aconteceram muitas coisas ultimamente.

Tive minhas primeiras férias remuneradas e a experiência foi boa *risos*

Com os 10 dias que tive, fui fazer trabalho voluntário na Abeuni e foi uma experiência diferente, boa, que me fez muito bem.

Vou recortar parte do e-mail que mandei pra Sapientia, em que expliquei mais ou menos como a Caravana (de 19 a 27 de julho) foi. Meus sentimentos e impressões estavam mais aflorados quando escrevi para ela! :)

"[...]

Bom, sobre a Caravana da Abeuni: gostei demais! Fui esperando uma coisa e encontrei outra, muito mais elaborada e organizada. Eu vejo a Abeuni como um tipo de “empresa júnior”, pois tem vários departamentos, RH e funciona mais ou menos como uma empresa de verdade.

A maior parte dos voluntários de lá é formada por pessoas de vinte e poucos anos, universitários de vários cursos, uns 90%, japoneses (fiquei surpresa quando fui à apresentação). A Abeuni, aliás, começou com japoneses e, talvez por isso (?), seja tão organizada. Quando as pessoas entram para Abeuni são chamadas de “calouros” e, diferente do que acontece quando se entra na faculdade, temos várias regalias – somos muito bem recepcionados, acolhidos, todo mundo conversa com você, te ajuda, há dois grupos de pessoas (que eles denominam “comissão”) encarregadas de fazer a integração dos calouros com calouros e calouros com “veteranos” (quem já participou de três caravanas), temos prioridade nas filas da comida e do banho.

Há 13 departamentos:

TC – Trabalho de Campo (em que os voluntários se deslocam para um determinado bairro, entram na casa das pessoas para conversar e anotam dados) – amei esse departamento

OD – Odontologia: dentistas ou estudantes de odonto dos últimos anos restauram e extraem dentes

ENF – Enfermagem: enfermeiro(a)s fazem um tipo de triagem antes de as pessoas passagem pelo departamento de MED, aferindo a pressão e fazendo perguntas de rotina. Também fazem exame de papa nicolau (que, fiquei sabendo lá, deve ser feito todo ano). A Ju (último ano de enfermagem) me deixou acompanhar um exame, achei interessante. Vai me ajudar a não ter medo quando eu fizer o meu...

MED – Medicina: esse departamento é fechado a médicos e estudantes de medicina (os calouros nem passam por ele)

NUTRI – Nutrição: voluntários explicam sobre a importância de se ter uma dieta balanceada, falam um pouco sobre as propriedades dos alimentos, em forma de teatro e brincadeiras. Também ensinam a fazer receitas aproveitando restos de frutas/verduras (no dia em que passei lá, fizeram um doce com casca de banana, que incrivelmente não tinha gosto de casca de banana! Muito bom!).

POD – Profilaxia Odontológica: voluntários ensinam sobre saúde bucal, como escovar corretamente os dentes, a importância de se escovar os dentes e passar fio dental – os calouros ajudam no teatro e nas brincadeiras. Depois auxiliamos no “escovódromo” (levamos as pessoas pras pias da escola e ensinamos o modo correto de se escovar os dentes).

PROFI FILHOS – Profilaxia Filhos: tipo de “creche”, onde as crianças ficam, enquanto os adultos estão passando por outros departamentos. Lá a gente brinca com as crianças, faz teatrinho, mostrando que é importante tomar banho, escovar os dentes, cuidar da natureza, não maltratar os animais, etc.

PROFI TEENS – Profilaxia para adolescentes: fala-se sobre assuntos de interesse dos adolescentes: como colocar camisinha, gravidez, mudanças no corpo, uso de anticoncepcionais, entre outros. (No dia em que eu passei por esse departamento, o turno foi diferente: eles falaram sobre o primeiro emprego, sobre a importância de se mostrar interessado, estudar, fazer o melhor possível no trabalho, seja ele qual for.)

PROFI MÃES – Profilaxia para mulheres (não só para mães): orientação sobre vários métodos contraceptivos, uso e colocação da camisinha (no teatro eu fiz uma personagem que mostrava como colocar corretamente a camisinha! Rá! Eu que nem tinha idéia... mas aprendi direitinho porque fiz uma vez pra treinar e depois no teatro), planejamento familiar, ciclo menstrual, como é o processo de fecundação (também fiz o papel de óvulo! Hahahaha)

LAB – Laboratório: onde acontece a análise das fezes das crianças. Achei incrível terem 3 microscópios! Aprendi os dois tipos de métodos que eles usam pra detectar se existem bactérias e coloquei em prática.

CME – Central de Materiais Esterilizados: onde os materiais da MED e OD são esterilizados; na verdade, basicamente da odonto, porque a MED não faz procedimentos cirúrgicos lá. Gostei desse departamento porque está muito relacionado com a minha área (ainda vou ver direito na faculdade tudo que vi lá).

FARM – Farmácia: os pacientes que passam pela MED, ENF ou OD passam por esse departamento para receber os medicamentos de graça (o pessoal passa uma receita e eles ganham o que precisam).

SEC – Secretaria : Primeiro, há uma triagem no portão da escola (as pessoas são atendidas de acordo com a ordem de chegada, nem sempre todos conseguem ser atendidos – depende do número de voluntários nos departamentos); depois as pessoas triadas passam pela Secretaria, onde são anotados dados pessoais e elas assinam um termo de responsabilidade, autorizando o tratamento odontológico/médico.

Todo dia era uma rotina:

6:15 – acordar e tomar café (todas as refeições eram servidas na escola – aliás, a gente não pode sair das escolas). O pessoal chegava gritando: “BOM DIAAAAA, PESSOAAAAAAAAL, VAMOS ACORDAR?”

7:15 ou 7:30, dependendo do departamento onde você vai passar: saída para outra escola (a gente dormia em uma escola e o atendimento era feito em outra, bem perto dali)

O ínicio do “turno” (como eles chamam) depende de cada departamento. A Secretaria começa a funcionar assim que chegamos.

11:45 (mais ou menos): fim do primeiro turno; descer pra escola para almoçar

13:15 ou 13:30: descer pro segundo turno (tinha uma tabela enorme com o nome dos calouros, éramos uns 30, e lá tinha anotado o departamento por onde passaríamos no dia)

17:45/18:00: fim do segundo turmo para a maioria dos departamentos. A central de esterilização e odonto, às vezes, ficam funcionando até mais tarde (todas as pessoas triadas são atendidas).

18:15: jantar

18:15 até umas 22:30/23:00: jantar-banho-dormir. Lá pelas 23:00 a comissão do Social acordava todo mundo pra participar das atividades de integração do pessoal. Não era obrigatório, mas eu sentia uma pressão. Teve dias em que eu estava morta de cansaço e não participei/não acordei pra participar (ganhei uma faixa de “Miss Soneca” – hahaha!). Eram brincadeiras para conhecermos outras pessoas. Basicamente isso. E nem sempre eu tinha saco, apesar de ser uma pessoal razoavelmente sociável. E, dormindo, era a única forma que eu tinha pra ficar comigo mesma. Ficar entre muita gente o tempo todo pra mim é meio estressante.

No sábado em que a gente chegou, montamos tudo. A estrutura é incrível (cadeiras de dentista, pias móveis, medicamentos para distribuir, roupas para fazer os teatros em vários departamentos, estufas para esterilizar os materiais). O atendimento começou domingo. E no sábado e domingo seguintes desmontamos e carregamos tudo nos caminhões.

Teve um dia que conversei com a menina do RH, aí ela perguntou sobre várias áreas da minha vida. Porque, segundo ela, as atividades da Abeuni não devem atrapalhar minha vida pessoal/profissional, pelo contrário. É legal isso também, porque eles ajudam no desenvolvimento pessoal/profissional das pessoas. Apesar de ter vinte e poucos anos, todos ali têm um senso incrível de responsabilidade e noção de que se eles não cumprirem com os compromissos assumidos, o todo não vai funcionar. E tem muita gente com problemas de relacionamento também. A Luciana (a menina que praticamente não falava comigo!) é só uma delas. Ao longo da caravana, fui notando isso e, depois, minha “família adotiva” (tenho uma família lá, para me ajudar nas minhas dúvidas sobre a entidade e ajudar em geral) comentou isso também, que havia pessoas extremamente introvertidas quando entraram mas hoje já conseguiam participar das coisas, falar em público (detesto) e, enfim, estão desenvolvendo o lado pessoal e isso é bom. Ao fim da “entrevista”, tive que indicar dois departamentos onde gostaria de trabalhar. Escolhi o TC (trabalho de campo) – 70% de vontade de ficar lá - e a POD (profilaxia odontológica), para o qual indiquei os outros 30%. Podia indicar até 3 departamentos.

Conheci bastantes pessoas legais, valeu muito a pena. Senti uma energia muito positiva das pessoas. São pessoas de bem. A Abeuni é a materialização daquilo que Gandhi (?) falou: “Quero ser a mudança que eu quero ver no mundo”. Pessoas se ajudando e ajudando/se preocupando com outras pessoas. E o objetivo é: um mundo melhor. É muito pouco o que se consegue fazer diante de tantas misérias, mas eu acho tocante, acho que é um começo para que as pessoas se transformem pra melhor."

Depois volto para contar outras coisas!

Um comentário:

Alberto Kawai disse...

Olá! Não sei se você lembra de mim: sou o Alberto, chefe do Lab, da Abeuni! Muito interessante seu site!