Pages

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Engole o choro e continua!

Hoje me deu uma leve vontade de chorar no trabalho. Chorar de desânimo.

Hoje chegaram os catálogos dos livros, que precisavam estar prontos de qualquer jeito antes da Bienal do Livro no Rio. O "bem-vindo" da capa estava impresso sem hífen. Um deslize até que passável (?). Depois de terminar de fazer algumas coisas, fui folhear com mais calma o tal catálogo que o Danilo fez com tanto esmero. De repente, bato o olho em um dos lançamentos e não quis acreditar no que via. Fiquei olhando para ver se era real ou se as letras é que estavam embaralhando devido, talvez, a um cansaço mental. Mas não era. O NOME DO AUTOR estava errado na capa!! Perguntei para os meninos da produção (editorial) se o tal livro ainda estava por ali (chegou da gráfica esses dias), porque eu queria dar uma olhada. Não era miragem nem cansaço mental: o nome do autor estava mesmo errado na capa! Eu só tinha visto o primeiro nome errado, daí o Danilo viu que o sobrenome também estava errado. Meus céus! Me deu vontade de chorar.

Não sei se fiquei assim porque me envolvi bastante com esse livro, cheguei a trocar vários e-mails com o autor, enchi o saco dele por causa das ilustrações, que ele enviava e o gerente de produção não conseguia receber/visualizar. Me sinto muito constrangida com a situação. Ainda mais porque teremos de enviar algumas cópias do livro em português para ele. Podia qualquer coisa ter saído tosca, ele nem ia notar, porque provavelmente não lê nada em português, mas... o NOME DELE?!

Comentário de um dos gerentes: "Ah, mas na lombada o nome dele saiu certo, né? Então tá bom". Ai, para o mundo, eu quero descer.

Se a editora fosse minha, o responsável provavelmente seria despedido no dia seguinte. Pela falta de comprometimento e responsabilidade. A capa passou por revisão, as meninas fizeram marcas de revisão, então por que isso (entre outros detalhes que precisavam ser acertados) não foi alterado? Depois as pessoas reclamam que não têm emprego. Mas elas também não têm o mínimo necessário para determinados tipos de trabalho!

Acho que por isso tenho uma tendência a gostar de trabalhos individuais. Trabalho em equipe às vezes é uma frustração. Se a equipe não estiver em sintonia, se não houver o comprometimento de todos, sempre vão acontecer coisas assim. E azar de quem se empenhou de verdade.

Talvez seja tudo bobagem. Eu me desgasto à toa, não? Afinal, é só um trabalho como outro qualquer mesmo *irônica*.

Mas me nego a aceitar que coisas desse nível sejam aceitáveis e "normais".

Um dia tudo isso será passado. Amém.

4 comentários:

Crisão disse...

Erro de nome na capa é a coisa mais inaceitável, mesmo em editoras amadoras ou pequenas. Infelizmente, devo dizer que isso é fruto da organização daí... o que é uma pena, peníssima. Sorry for you.

bjs

Anna Carolina =dos= disse...

Vivemos rodeados de incompetentes! Essa é a verdade. E ser um tanto perfeccionista nos leva a ter delírios ao ver esse tipo de erro.

aline naomi disse...

Cris,
precisamos de um(a) coordenador editorial, essa é que é a verdade!
Eu bem que queria acompanhar todo o processo para que, pelo menos, esses erros mais toscos não passassem, mas para mim é totalmente inviável. Vários problemas, de vários naturezas e vários níveis. E hoje, mais essa: o tradutor foi buscar a cópia de cortesia do livro que ele traduziu e o nome dele saiu errado (morri de vergonha!). O jeito é entoar um mantra e relaxar. Não há o que fazer. O trauma de ontem pelo menos já foi superado.
Beeijos!

***

Dos,

juro que já tentei ligar o "foda-se", mas ainda não consigo. Para mim não é normal as pessoas fazerem as coisas de qualquer jeito, ter o menor esforço possível e, se der tudo errado, "fazer o quê?!". Eu não me conformo com esse tipo de postura e espero nunca me conformar.
Vamos ver até quando o colega vai durar. Depois de várias faltas desse naipe, talvez o gerente tome alguma atitude. Ou não. Rá!
Beeijos!!

Anna Carolina =dos= disse...

hehehe...ligar o "foda-se" é mesmo difícil, se conformar com os erros dos outros é ainda mais difícil. Sabe qual o lema do funcionário público? (eu sou funcionária pública) É o seguinte: "Fez bem, bem feito!" Agora me diga se eu me conformo com isso? Não. Mas sei que o meu trabalho eu faço bem feito e isso me motiva a não deixar a peteca cair. Erros alheios nos estressam, infelizmente! Mas nada como um dia após o outro.