Pages

quarta-feira, 3 de março de 2010

Mais pessoas diferentes pra fazer o meu mundo mais colorido!

Tem duas meninas que conheço virtualmente e vou conhecer pessoalmente nos próximos dias. A Flávia, que é de São José, mas estuda e trabalha em São Paulo (inclusive trabalhava em uma editora, ela é da minha área) e vai ser baby sitter na Alemanha no meio do ano, e a Babu, uma garota DDA, que fala hebraico e pelos cotovelos, nasceu no mesmo dia e mês que eu, gosta de samba (aliás, vou com ela em um - nunca fui, mas sempre tem uma primeira vez pra tudo e estou aberta a novas experiências) e quer ser médica.

Por falar em "aberta a novas experiências", pedi pra Lu me levar em uma aula de LIBRAS (linguagem brasileira de sinais) que ela faz. Deve ser louco. Estou muito curiosa!

A Flávia vai me levar pra comer comida árabe (ou turca?) em um lugar da Paulista um dia. Na verdade, a gente tinha combinado de ir pra Padaria da Árvore (é uma padaria entre a casa dos meus pais e a dos pais dela, lá em São José) nesse sábado, mas como vou pra Floripa, vamos ter de adiar.

E que venham mais pessoas pra minha vida...

2 comentários:

Anônimo disse...

É muito bom ter a oportunidade de conhecer diferentes pessoas, e acrescentar, somar novas experiências e perspectivas de vida. Parabéns pela iniciativa de fazer algo novo e 'de novo'. Reinventando novas formas de fazer amizades e se interessando por assuntos diversos. A LIBRAS - linguagem brasileira de sinais - deve ser realmente muito interessante. (O sistema linguístico de transmissão de idéias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas é muito pouco conhecido!) Deve ser difícil estudar esta linguagem, assim como o BRAILE, um meio de leitura e escrita para cegos, onde ha necessidade de sensibilidade táctil. Alguém aí já tentou estudar BRAILE?

aline naomi disse...

Ahhhhhhh, eu adoro pessoas diferentes!

Braile deve ser difícil no começo, mas depois os dedos se acostumariam à leitura, acho!

A Lu nunca comentou nada sobre LIBRAS ser extraordinariamente difícil de aprender. Acho que há a dificuldade normal de quando aprendemos outro idioma.