Pages

domingo, 14 de março de 2010

Tudo ao mesmo tempo agora

Fiz minha matrícula no curso de tcheco hoje (sábado). Me informaram errado alguns percursos, me perdi (pra variar), o cobrador do ônibus não tinha ideia de onde eu queria descer, aí acabei descendo perto da Washington Luís e da Tamoios... parei em um bar para comprar água e aproveitei para perguntar: "por favor, você sabe onde estou?", o cara deve ter achado engraçado e falou que eu estava perto do aeroporto de Congonhas. Fui tentar achar um ponto de táxi e, quando achei, não tinha táxi lá, fiquei esperando meia hora e depois fui para outro ponto, onde tinha táxis, mas não tinha motorista. Pensei que deviam ser sinais de que eu não deveria prosseguir com essa insanidade de estudar tcheco, mas quanto mais difícil a coisa fica, mais me dá vontade de ir até o final, então eu fui.



Depois acabei conseguindo um táxi e cheguei ao local da inscrição, que é uma casa, sem placa de União Tcheca nem nada - lembra um pouco os "kaikans" (associações japonesas) e fui super bem recebida. As aulas começam semana que vem, estou empolgada e me sentindo meio o Jim Carrey naquele filme "Sim, senhor!", dizendo "sim" a praticamente tudo que me aparece (no filme, ele aprende acho que coreano e acaba usando isso em uma situação inusitada depois). Mas preciso ver um jeito mais fácil de chegar lá na associação. Bom, só consegui resolver a minha vida umas 17h (saí de casa às 11h da manhã!!) e só aí voltei pro apartamento, fiz as malas e vim para São José, com muita preguiça e dor de cabeça, provavelmente, por ter ficado andando sob o sol e por não ter almoçado.

Agora é uma da manhã de domingo, estou em São José, com roupas na máquina de lavar e tentando terminar a tradução de um livro, mas querendo ver todos os filmes que chegaram aqui:

- Divas do Blue Iguana (dica da Lana!, sobre garotas que trabalham no "Blue Iguana", uma casa de strip, mas tentam conciliar esse trabalho com outros planos de vida)
- Mil anos de oração (do Wayne Wang, que também dirigiu "Cortina de Fumaça" e "Princesa de Nebraska")
- Dias selvagens (do Kar-Wai, que também fez "Amor à flor da pele" e "2046", que são muito bons)
- Um dia muito especial (no original, o título é "Sex and Philosophy", que eu encontrei por acaso, buscando informações sobre um livro que estava analisando na editora)
- Depois do casamento (um filme dinamarquês sobre filantropia, globalização e abismos sociais)
- O aborto dos outros (documentário sobre aborto no Brasil)
- O prisioneiro da grade de ferro (documentário sobre o presídio Carandiru, feito pelos próprios presidiários, um ano antes da desativação) - eu trabalho e moro perto do Carandiru, que virou um parque e agora também tem uma biblioteca moderninha, como O Barato de Sampa anunciou aqui. Li o livro do Dráuzio Varella, "Estação Carandiru", vi o filme homônimo e fiquei curiosa para ver como ficou esse documentário.

Chegou também um outro filme que não vou falar, porque é uma surpresa. Fiquei procurando esse filme por quase 3 anos para uma pessoa, ele estava totalmente fora de catálogo, tentei comprar o DVD pelo Mercado Livre da Argentina e do Chile, mas nem rolou, e agora ele foi relançado acho que no mês passado no Brasil. Consegui!, acho que a pessoa vai ficar feliz. :)

Vi uma parte de "Supernanny" (ah, eu gosto tanto dela!) enquanto jantava.

Agora, chega. Bora voltar a traduzir.

Obs: respondo Formspring assim que der ;)

8 comentários:

Lynea disse...

Quantas 'aventuras' para um único fim de semana! "Tudo ao mesmo tempo agora" foi um ótimo título. Tem persistência!! Alguns (não tão convictos) teriam desistido de chegar ao local destinado a aprender Tcheco. Mas, foi objetiva. E que bom que foi bem recebida depois de tanto esforço. Mais um bom motivo para continuar o desejo de aprender uma língua diferente.
Eu assisti ao Filme do Jim Carrey (Yes, man!)e adorei! O poder de dizer sim para tudo e qualquer coisa e ainda criar possibilidades diversas: Quantos de nós teríamos coragem de fazer isto!??
E falando em filmes, quantos filmes para assistir! Contei os títulos e são sete! Fez uma sessão cinema!?

aline naomi disse...

Lynea,
estou tentando viver "intensamente"! De uns tempos pra cá estou com a sensação de que a vida está passando muito rápido e talvez eu não consiga fazer nem metade do que quero.
Sobre o filme do Jim Carrey, além de ter morrido de rir, gostei da mensagem, que é o que você falou: criar possibilidades, de abrir portas que a gente nem imaginava, de chegar em lugares que nunca imaginávamos chegar (sei lá onde o tcheco pode me levar?).
Não consegui ver nenhum filme hoje... trouxe para ver aqui em SP. Aos poucos, vou comentando... espero que sejam todos bons! =)

Anônimo disse...

"Supernanny"! Faz tempo que não vejo este programa... ou ouvia sobre este reality show. Uma programa que ensina e dá dicas para lidar com as crianças! A que ponto chegamos, hein... Antes as mães tinham uma enorme quantidade de filhos, sem nenhum tipo de informação adicional, e os educava baseados em princípios... E admirem: obedeciam! os filhos respeitavam os pais; e mesmo com grau de escolaridade baixa , trabalhavam e davam valor ao esforço, ao que era denominado : Família. Hoje, num ritmo totalmente diferente ao anterior, as mães optam até pela criação independente. (Não que eu seja contra, o mundo mudou!). Porém, com toda esta mudança, não deveríamos ter noção maior do que são os valores morais e éticos?! Passar de maneira adequada o respeito e confiança? Com tanta informação, lançada em livros, web, tv, todos os meios de comunicação...; grau de escolaridade maior dos pais, diálogo aberto, não deveria ser mais fácil esta relação?! ?
O ser humano é complicado demais.

Carolina disse...

Concordo! Às vezes menos é mais, definitivamente. Ou como alguns teóricos afirmam, uma sociedade com excesso de informação pode não ser muito diferente de uma com falta dela! Porque o excesso meio que banaliza o conhecimento, talvez? Ou pode dificultar a busca daquilo que realmente é importante. Enfim, os reality show podem ser bem divertidos, mas são pura exploração comercial da necessidade das pessoas... caralho, aprender a cuidar de crianças agora virou uma ciência!? Com o propósito de quê? Criar filhos que vão se tornar cidadãos bem sucedidos? Deveríamos refletir sobre o que significa o sucesso em nossa sociedade...

Uma anônima disse...

Falta "AMOR" em todas as relações...e em qualquer uma das direções; seja entre pais e filhos, entre amigos...! Adoro esta crônica de Arnaldo Jabor:

EU TE AMO... NÃO DIZ TUDO!

Você sabe que é amado(a) porque lhe disseram isso?

A demonstração de amor requer mais do que beijos, sexo e palavras.

Sentir-se amado é sentir que a pessoa tem interesse real na sua vida,

Que zela pela sua felicidade,
Que se preocupa quando as coisas não estão dando certo,

Que se coloca a postos para ouvir suas dúvidas,
E que dá uma sacudida em você quando for preciso.

Ser amado é ver que ele(a) lembra de coisas que você contou dois anos atrás,

É ver como ele(a) fica triste quando você está triste,
E como sorri com delicadeza quando diz que você está fazendo uma tempestade em copo d'água.

Sente-se amado aquele que não vê transformada a mágoa em munição na hora da discussão.

Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente inteiro.
Aquele que sabe que tudo pode ser dito e compreendido.

Sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é,
Sem inventar um personagem para a relação,
Pois personagem nenhum se sustenta muito tempo.

Sente-se amado quem não ofega, mas suspira;
Quem não levanta a voz, mas fala;
Quem não concorda, mas escuta.

Agora, sente-se e escute: Eu te amo não diz tudo!
Arnaldo Jabor

Rukya disse...

Voltando à República Tcheca, nunca conheci alguém que quis aprender tcheco! é algo diferente. Curiosidades: Nos jogos olímpicos de inverno de Vancouver; a República tcheca foi ao Canadá com apenas 5 esportistas (competidores) ...

Rukya disse...

'Bom, tenho boas notícias para você – só tchecos falam tcheco. Nenhum outro país do mundo (nem mesmo a vizinha Eslováquia) tem o tcheco como idioma oficial. Isso significa que eles têm plena consciência de que você, incauto turista, NÃO fala a língua deles. E eles também não têm a menor expectativa de que você fale, ou sequer que entenda algo de tcheco. Por isso, virtualmente todos os tchecos falam uma segunda língua. Muitos até uma terceira.'

Autora deste blog: parabéns, fez uma escolha mto difícil! Poucos no mundo falam tcheco!! entrará para a estatística!
Fora a língua, será a possibilidade de conhecer esta cultura.. e pessoas diferentes!!

aline naomi disse...

Anônimo, Carolina e Uma anônima:

comentei sobre a "Supernanny" sem muitas pretensões, nem pretendia causar tanto! Haha.

Não sei se deveria existir um programa que ensine os pais a educar os próprios filhos, mas admiro o trabalho da Supernanny, que é o de educar (pais e filhos) e ser uma agente de mudança, para que haja mais pessoas melhores e, talvez, um mundo um pouco melhor para todos. Acho fantástico quando ela insiste que a mudança dos filhos deve passar necessariamente pela mudança dos pais e, na maioria das vezes, os pais não conseguem enxergar isso, acham simplesmente que o problema é das crianças, que são impossíveis, enlouquecedoras, problemáticas, etc., e que eles não têm nenhuma responsabilidade sobre isso.

***
Rukya,

um amigo me mostrou o site http://how-to-learn-any-language.com/e/index.html e lá diz mesmo que o uso do tcheco está restrito à Rep. Tcheca e que muitos falam inglês ou alemão. Mas mesmo assim estou empolgada. =) As aulas começam semana que vem, aí poderei comentar um pouco!