Pages

segunda-feira, 3 de maio de 2010

29 anos não é tanto...

... mas aprendi algumas coisas que parecem ser verdadeiras:

- conhecimento é poder;

- as pessoas têm escolhas e livre-arbítrio (e eu não preciso me sentir mal por elas, pelas decisões ruins que tomaram e que as fazem sofrer);

- ser livre é uma das melhores sensações do mundo;

- posso me machucar e me destruir (partindo do princípio de que pertenço a mim mesma), mas não tenho o direito de machucar e destruir os outros;

- ter a opção de dizer "não quero mais" e seguir por outro caminho é um privilégio;

- as pessoas são surpreendentes;

- não conseguir exatamente o que, quando e como quero não é nenhum desastre - talvez outra coisa melhor esteja a caminho;

- reclamar, lamentar, invejar, fofocar, querer o mal para outras pessoas é uma grande perda de tempo (tempo e esforço que poderiam ser investidos em algo construtivo);

- não tem tanto problema não saber o que sou e nem exatamente o que quero na vida; posso ir eliminando pelas coisas que não quero/ não quero ser/ não quero me tornar;

- é importante ter valores, mas eles não precisam ser absolutamente intocáveis - algumas regras valem a pena ser quebradas;

- algumas pessoas se nivelam por baixo e, por elas não se acharem capazes, acabam disseminando a ideia de que outras pessoas também não são capazes - bobagem, eu e todo mundo conseguimos fazer tudo que quisermos se nos comprometermos de verdade;

- nunca colocar a vida amorosa acima de todas as coisas; outras áreas da vida também são importantes;

- passar por determinadas situações - ainda que dolorosas e desesperadoras - talvez seja necessário para crescer e chegar mais perto do humano que há em mim.

8 comentários:

Cristiano J. disse...

Parabéns!

Anônimo disse...

Legal! Concordei inteiramente com 8 e em partes nas demais... talvez algumas coisas que você colocou sejam um tanto egoístas/individualistas, acho bem triste reforçar nossa suposta "independência", nossa separação ilusória dos outros... quem sabe em algum lugar no Pacífico, as pessoas saibam conviver harmonicamente, uns se importando com os outros, mas sem ninguém ficar "sugando"/explorando ninguém...

aline naomi disse...

=)

Anônimo, sim, tenho uma tendência a ser individualista. Várias vezes me ferrei porque me importei com os outros - cansei. (Não, não queria nem esperava por reconhecimento nem nada, só esperava o mínimo: o cumprimento do que foi acordado da parte das pessoas, já que fui legal com elas. Me senti incrivelmente palhaça por ter me importado e feito o meu melhor para ajudar quando algumas pessoas não estão nem aí.)

.:*Mandy*:. disse...

Concordei com todas! Apesar de ainda tentar me lembrar todo dia delas. Quando se age no piloto automático as coisas podem ficar pretas pro nosso lado, hahaha

Anna Carolina =dos= disse...

Concordo com todas, mas é tão difícil seguir algumas!

Anônimo disse...

OK!Beleza! não quis te criticar nem nada, até pq eu também sou assim , não tenho muita paciência com os problemas dos outros... às vezes só sinto falta de gentileza das pessoas, em várias situações, como sei lá, no trânsito, na fila do supermercado... todo mundo parece que é "uma ilha", preocupados com segurança etc...ou sempre querendo ser primeiro em tudo.

Carol disse...

Falar é fácil, mas são poucos que conseguem conciliar vida amorosa com vida profissional... nem acho que seja possível, com exceção claro, dos casamentos monótonos...
com eventuais puladas de cerca haha

aline naomi disse...

Mandy e Anna Carol,
pois é... é difícil às vezes, mas preciso me lembrar de algumas coisas também. Eu aprendi, mas preciso fixar as informações... haha!

Anônimo,
ainda estou tentando o equilíbrio. Ou melhor, estou tentando usar mais o sexto sentido e ser legal só com quem vale a pena. Não quero mais me desgastar com pessoas sem noção. Estou mesmo cansada.

Carol,
cheguei à conclusão de que não é possível conciliar vida profissional bem sucedida com um casamento bem sucedido. E acho que já fiz a minha escolha. Do que ser uma profissional meia-boca e uma namorada meia-boca, no momento estou optando por tentar ser uma excelente profissional e NÃO SER namorada de ninguém, porque eu sei que não daria muito certo... várias cobranças do tipo: "você não tem tempo para mim", "mas vai trabalhar de novo nesse fim de semana?", "você não termina de traduzir esse livro nunca?" me aborreceriam. Preciso de um relacionamento leve e sem cobranças porque já me cobro muito em vários sentidos, não preciso de mais alguém para me cobrar.