Pages

domingo, 27 de junho de 2010

Liberdade, cores e feminices

Acabei de voltar da Liberdade. A Flávia teve que voltar para São José de repente, aí eu fui sozinha mesmo. Comprei esses esmaltes superdiscretos acima =D. Tirando esse azul e esse roxo cintilante, os outros são de uma linha fluorescente da Impala (na hora já não lembrava se era essa a marca que a Bianca disse para eu comprar, que era a melhor, bom, espero que seja). Não tinha azul royal/fluorescente, daí comprei esse azul calcinha.

E isso é um curvex:


Não, não sei usar. Ainda.

Também comprei uma base (agora acho que acertei a cor), um gloss com cor de chocolate, mas que cheira a tutti frutti (??), um blush que (talvez?) não me faça ficar com uma aparência circense =), outro lápis de olho. Esqueci do "delineador". Bom, fica pra próxima, até porque... não tenho ideia de como usar.

E agora é ter tempo para aprender a usar tudo isso harmoniosamente. Acho que o amigo Google ajuda. Ontem começou o curso on-line da FGV e ainda não deu tempo de ver/ler o que tem na área para alunos no site. Então talvez isso tudo fique para depois do curso e depois que eu terminar as coisas do trabalho (espero que ainda nessa vida).

É engraçado isso de maquiagem. Uma vez a amiga de uma amiga, que trabalhava (talvez ainda trabalhe) na Natura como química ou bioquímica (?), comentou que para ela estava sendo uma experiência nova, diferente e desafiadora trabalhar com elaboração de maquiagem, porque ela mesma não se maquiava até começar a trabalhar com isso... como ela tinha que testar as cores e texturas nela mesma, passou a ter que gostar e usar :). Aí ela comentou também que, para ela, essa coisa de se maquiar deve ter muito a ver com as meninas observarem as mães se maquiando, então, talvez por imitação, nascia o hábito. A mãe dela não tinha o hábito de se maquiar. E nem a minha (só para as festas - e ela me faz maquiar para as festas também... mas eu pagava alguém para fazer isso). Então, para mim, é meio difícil criar um hábito a essa altura da vida. Sinceramente, não sei se isso vai dar certo e nem se quero ter esse hábito (sei que vai ser preciso uma boa dose de paciência e persistência) - não quero descambar para o "patricinha" e nem para o "perua", porque não tem nada a ver comigo, não gosto e não quero (e me deixem em paz! :). Só queria algo que me deixasse com um ar mais alegre e elegante e naturalmente saudável, sem exageros.

Ia tirar uma foto da Liberdade e da Ikesaki, mas tudo estava tão lotado e eu estava tão atordoada e desesperada para sair de lá que não fiz foto nenhuma.

Obs: pensei em levar os esmaltes para alguma boa manicure fazer os procedimentos e eu ver como funciona... mas dá um certo medo de os instrumentos estarem contaminados e eu pegar alguma doença *total neurótica* haha. É que depois de os professores de microbiologia falarem que há um certo risco de contaminação e que a esterilização por raios ultra-violeta que alguns salões usam não serve para nada, fico reticente.
E agora chega, que preciso terminar umas coisas realmente importantes por aqui.

6 comentários:

Mila disse...

Aline, você pode levar os seus próprios instrumentos na manicure, e ela só faz. E tem vários salões que estão adotando essa medida, tem uns que você ganha até um armáriozinho pra deixar suas coisas ^^. Gente que dica de mulherzinha, but, whatever =P

aline naomi disse...

HAHAHAHAHA!!

Mila, esses nossos papos estão ficando tão... mulherzinha :)

Valeu pela dica. Depois você me passa a dica DO QUE comprar (porque sou tão sem noção que não sei se comprar aqueles jogos de manicure já tá bom?).
:-***

flavia disse...

ahhahah ADOOORO, sou viciada em esmalte e maquiagem, tem umas fechadas e comprei e nem abri ainda, tamanha é a minha compulsao! se vc quiser te ensino uns truques!bjosss

aline naomi disse...

Flá,
eu quero umas dicas, sim! Thanks! :)

Adriana Amaral disse...

eu me maquio direto e nao sou perua nem paty.. mas minha mãe sempre se maquiou heheh

aline naomi disse...

Dri,

que bom que você é a prova de que é possível um equilíbrio, né?? :))

Beeijo!