Pages

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Quem tem medo das "pessoas da internet"?

Da última vez que fui pra casa dos meus pais, meu pai (mais neurótico que eu) falou de novo para eu tomar cuidado com "as pessoas da internet". Tem fundamento o que ele diz, para não encontrar pessoas estranhas que conheço pela net, mas nunca tive nenhuma experiência desagradável e nem ameaçadora com pessoas que conheci primeiro "virtualmente" e depois pessoalmente.

Aí fico pensando nessa coisa de "as pessoas da internet"; do jeito que meu pai fala, parece que são pessoas de um limbo maligno que vêm para me fazer mal. Fico imaginando uns zumbis que querem me morder para sugar toda minha energia vital até que eu me torne uma zumbi também. =D

A Mary gaúcha fala em "feeling", ou seja, que a gente (eu e ela, porque ela também nunca conheceu gente maldosa pela net) simplesmente sente quem vai nos fazer bem e é isso. No meu caso, talvez inconscientemente, avalio o que e como as pessoas dizem/escrevem as coisas. Se em algum momento sinto algum tipo de agressividade ou segundas intenções ou contradições (prováveis mentiras?) ou se me entedia demais, eu descarto. Pra mim o modo como a pessoa escreve/se expressa diz muito sobre ela. E sempre sinto que tenho a escolha de continuar falando (ou não) e o quanto quero aprofundar a amizade com as pessoas que conheço "virtual" ou pessoalmente - o que para mim é indiferente.

Para falar a verdade, as pessoas mais estranhas e de quem eu tinha mais medo eram pessoas que conheci profissionalmente ao longo dos anos e com quem tinha de conviver, incluindo uma pessoa que eu sabia que já tinha sido internada por desequilíbrio psicológico e eu ficava muito tensa porque achava que um dia ela ia tirar uma faca de pão pontiaguda da bolsa e enfiar na minha jugular, assim, de repente. Então, para mim, "estranho" e "perigoso" são coisas muito relativas...

Vocês têm medo das "pessoas da internet"? =)

4 comentários:

Karen disse...

Minhas experiências também foram boas, conheci muita gente bacana pela internet e depois pessoalmente. Claro que é sempre bom tomar alguns cuidados, você nunca sabe quem está do outro lado. Se tivesse filhos jovens, ficaria um pouco preocupada.

.:*Mandy*:. disse...

Olha, já teve cara que disse que me amava depois de 2 dias adicionado ao orkut... um que mora perto da minha casa mas passou quase 5 anos se comunicando comigo SEM SEQUER me chamar para um café...
... mas é, no final das contas tenho mais medo dos doidos offline.

Acho que, por ter passado muito tempo me correspondendo via carta com pen pals (passei a adolescência inteira assim, tenho caixas CHEIAS de cartas!), não tenho (tanto) medo de pessoas online. Até porque, não fosse orkut, Blogger, etc... não teria como compartilhar meus gostos com outras pessoas, hehehe

Beijos =*************

aline naomi disse...

Karen,
eu concordo... se tivesse filhos também ficaria preocupada. Acho que meu pai fala tanto porque ele sabe que tendo a acreditar muito mais que as pessoas são boas que ruins e isso pode mesmo ser perigoso =/. Mas eu confio no meu "feeling" - ele nunca me decepcionou!
Beeijos!

***

Mandy,
hahahahaha!! Você também tem umas histórias, hein?!?!
Eu teria medo de um cara que dissesse que me amava depois de dois dias de convivência (seja por Orkut, pessoalmente, MSN...) e provavelmente me afastaria. Meu senso de autoproteção é muito grande.
Eu também passei parte da infância, toda a adolescência e começo da idade adulta (faculdade) trocando cartas e nunca me senti ameaçada pelas pessoas "do outro lado", pelo contrário, pareciam muito mais sãs que as que conviviam comigo no dia a dia! E com algumas tenho contato até hoje.
Vamos tomar cuidado, como meu pai pediu, mas não nos fechar, né? Até porque... bom, não me vejo "proibida" de fazer amigos pela internet...
Beeijos!

dan disse...

bom, digamos que o meio q eu andava se conheceu na internet, e atéh q tinha pessoas estranhas no meio, rsss


mas o fato eh q eu não tinha medo, mas um certo sentimento de mão atadas, pode naum saber ajudá-la