Pages

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Nem modos nem formas

"Quanto a ela, lutara toda a sua vida contra a tendência ao devaneio, nunca deixando que ele a levasse até as últimas águas. Mas o esforço de nadar contra a corrente doce havia tirado parte de sua força vital. Agora, no silêncio em que ambos estavam, ela abriu suas portas, relaxou a alma e o corpo, e não soube quanto tempo se passara pois tinha-se entregue a um profundo e cego devaneio que o relógio da Glória não interrompia."

"Lembrou-se de como era antes destes momentos de agora. Ela era antes uma mulher que procurava um modo, uma forma. E agora tinha o que na verdade era tão mais perfeito: era a grande liberdade de não ter modos nem formas.
Não se enganava a si mesma: era possível que aqueles momentos perfeitos passassem? Deixando-a no meio de um caminho desconhecido? Mas ela poderia sempre reter nas mãos um pouco do que agora conhecia [...]"

Clarice Lispector
(Uma Aprendizagem ou O livro dos prazeres)

4 comentários:

Min disse...

lindo demais!!!


saudades de tiiii!
._."


beijo!

aline naomi disse...

Hoje eu sou a Lóri! :)

Fazia tempo que eu não me identificava com um personagem de livro...

Beeijo, Min! Te mandei e-mail meio grande =D Depois lê!

.:*Mandy*:. disse...

Isso foi lindo de verdade :)

aline naomi disse...

Mandy,

acho a Clarice fodástica. O que ela escreve às vezes é tudo que penso e sinto e não consigo colocar em palavras...