Pages

sábado, 11 de setembro de 2010

Uyuni

Estou em Uyuni agora (9h15 do horário local). O ônibus saiu de La Paz ontem lá pelas 21h30 e chegou aqui umas 8h30.

Deixei minha mochila que deve estar com uns 15 quilos no hotel, eles disseram que guardam sem custos, e paguei a diária para o dia 12, quando volto para La Paz. Um senhor que ajuda na recepcao no turno da noite me levou para pegar um táxi perto da catedral San Francisco e comentou que eu era uma "chica muy valiente" por ter vindo sozinha pra cá. Sinceramente, me dá muito mais medo andar na linha vermelha do metrô em SP ou ter que descer em alguma estacao dessa linha do que estar aqui. Corajosa? Naaada!

No bus, vim sentada e conversando com um executivo boliviano que trabalha em Uyuni e estava fazendo um curso em La Paz. De resto, praticamente o restante dos passageiros éramos estrangeiros. Eu ouvia tudo quanto era língua.

Serviram um jantar com arroz, vegetais cozidos e um tipo de strogonoff de frango pouco depois de partirmos. A comida estava boa, mas era pouco prática para comer dentro de um ônibus em movimento. Vou sugerir darem um sanduíche, igual no bus Porto Alegre - Montevidéu =).

Devia ser mais ou menos meia-noite quando o motorista avisou que tinha um acidente e que o bus ia ficar parado uns 30 minutos e, se tivesse algum médico a bordo, que, por favor, ajudasse - no meu bus nao tinha. Depois de algum tempo, ele pediu para um ajudante levar o oxigênio (eles levam oxigênio no bus, caso alguém passe mal). Depois de mais alguns minutos, o motorista passou pelo corredor, levando o garrafao de oxigênio de volta para o fundo do bus, e comentou: "un muerto". Fiquei meio tensa, mas nao tinha o que se fazer, aí eu dormi.

A paisagem La Paz-Uyuni é meio igual à que vi no filme/documentário Alicia en el país. Vegetacao rasteira e desértica. Quando amanheceu, nao vi quase ninguém, nem quando passávamos por pequenos povoados com casebres que lembram algumas fotos, filmes e documentários que vi do nosso nordeste.

Aqui nao tem muito o que fazer. O jipe 4x4 (iuhuu!) da excursao que comprei sai daqui a uma hora, entao vou ficar enrolando. Vi que tem um museu etnográfico, mas, quando passei em frente, estava fechado. Vamos ver se agora já abriu.

Volto hoje à noite para La Paz e amanha de manha vou para Copacabana.

Ah, esqueci de contar que ontem almocamos no sítio arqueológico em Tiwanaku. O almoco estava incluído no pacote e, de entrada, tinha sopa de quinua (acho que é assim que se escreve) com uns vegetais e depois podia escolher 5 opcoes: omelete, truta, bife, carne de lhama ou frango. E depois tinha arroz, legumes, saladas e batata frita no "buffet". Comi trucha! Nao tive vontade de provar carne de lhama. Lhamas = amigas! =)

Bom, deixa eu ir lá! Bom finde pra todos!

4 comentários:

Mila disse...

Olhaaa o preconceito com a linha vermelha!! hsuashuasuhas

.:*Mandy*:. disse...

Isso, isso: lhamas são amigas, não comida!
#ecochatafeelings
hahahahahahahaha
Nem saberia o que dizer/fazer se alguém morresse na minha frente, cruz credo! Que chica valente, vc!
Beijos =****************

comalgumarazao disse...

Oi Aline! Pelo jeito está aproveitando bastante a viagem.
É tão bom viajar pra lugares novos!

Beijos.

aline naomi disse...

HAHAHAHAHA!
Milaaaaaaaaa, nao posso fazer nada. Me dá muito medo!! As pessoas da linha vermelha sao muito mal-encaradas, sempre acho que vou ser assaltada ali.
Beeijo!

---

Mandy,
anteontem nao teve jeito, tive que comer lhama, nao tinha outras opcoes. Desnecessário comer lhama, mas ok, é cultural. Enquanto eu tiver opcoes, as lhamas ficam intocáveis. E a carne nem é lá essas coisas. Se me dissessem que era carne bovina, eu acreditaria.
Beeijos!

---

Oi, Gerlaine!
Simmm, estou aproveitando muito a viagem. Está sendo muito muito bom, culturalmente falando. Estou vendo muitas coisas diferentes. Queria que todos pudessem ter a experiência de vivenciar a Bolívia algum dia na vida. Eu, com certeza, volto.
Beeijos!