Pages

domingo, 17 de outubro de 2010

Como esquecer - Malu De Martino


Olha que chato: tiraram o bus que eu pegava para ir para o curso de tcheco e os funcionários não sabiam informar como fazer para chegar onde eu queria. Fui passear lá no Grajaú (!), porque no cartaz informando que o ônibus Vila Natal saiu de linha dava como alternativa pegar esse outro ônibus: Terminal Grajaú. Mas esse não passa no mesmo lugar onde eu descia antes. Demorei semanas para encontrar um meio mais fácil para chegar lá e agora tiram a linha de bus, não é legal?

Bom, aí, para esquecer o aborrecimento, fui ver esse filme hoje lá no Espaço Unibanco da Augusta.

A sinopse tirada do blog oficial é essa:

Júlia (Ana Paula Arosio) é uma professora de literatura inglesa, 35 anos, que luta para reconstruir sua vida depois de viver uma intensa e duradoura relação amorosa com Antônia.
Em meio a uma série de conflitos internos e diante da necessária readaptação para uma nova vida, não disfarça sua dor enquanto narra suas emoções.
Ao longo do filme, ela vai encontrando e se relacionando com outras pessoas que também estão vivendo, cada uma a seu modo, a experiência de ter perdido algo muito importante em suas vidas.
Uma trama instigante que fala de pessoas comuns enfrentando os desafios de superar as dores do passado e a busca por uma nova chance de encontrar a felicidade.


Eu não consegui achar o filme nem bom e nem ruim. É puro drama, mas não especificamente lesdrama, é um drama geral, as personagens principais choram muito na primeira metade do filme por uma dor relacionada a outra pessoa. A personagem principal, Júlia, é muito pesada, não sei se ficou assim depois da separação ou se já era da personalidade dela. E no meio do drama, vão surgindo referências à Virginia Woolf e à Emile Brontë (quero ler Morro dos ventos uivantes!!)...
Tem uma aluna da Júlia que é muito cara de pau, fica passando cantadas nela o tempo todo. Será que existem pessoas assim? Incisivas e chatas?

Talvez eu tenha que ver mais uma vez para ter uma opinião melhor sobre esse filme. Mas, à primeira vista, não caí de amores por ele.

Nenhum comentário: