Pages

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Um trecho engraçado do livro que estou lendo

Como me tornei estúpido, do Martin Page, fala de um cara que de repente decidiu se tornar estúpido como uma forma de se inserir na sociedade e como meio de sobrevivência. Antes ele tenta o alcoolismo e o suicídio.

Nesse trecho, bem no começo do livro (em que estou), podemos ver como ele chegou à conclusão de que ser alcoólatra lhe traria paz:

"Ele contava com sua transformação em alcoólatra. Isso traz plenitude. O álcool ocupa totalmente o pensamento e dá fim ao desespero: cura. Ele frequentaria então as reuniões dos Alcoólatras Anônimos, contaria a sua trajetória, seria apoiado e compreendido por seres de sua espécie, os quais aplaudiriam sua coragem e sua vontade de recuperar-se. Ele seria alcoólatra, ou seja, alguém que tem uma doença socialmente reconhecida. Os alcoólatras são compreendidos, são cuidados, têm uma consideração médica, humana. Ao passo que ninguém pensa em compadecer-se das pessoas inteligentes: "Ele observa os comportamentos humanos e isso deve fazer dele uma pessoa muito infeliz", "Minha sobrinha é inteligente, mas é uma pessoa muito boa. Ela quer sair disso", "Por um momento, tive medo de que você se tornasse inteligente." Eis o gênero de reflexões bondosas, cheias de compaixão, a que ele teria tido direito se o mundo fosse justo. Mas não, a inteligência é um duplo mal: ela faz sofrer, e ninguém se dá ao trabalho de considerá-la uma doença."
(p. 15-6)

Pelo visto, vou dar boas risadas! :)

4 comentários:

.:*Mandy*:. disse...

Pois é, às vezes preferiria ser alcoólatra.
Não me considero o último granulado do brigadeiro nem nada, mas olha, é f&*% ser menos ignorante.

aline naomi disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAHA!!
Mandy, não diga uma bobagem dessas!! Que alcoóltra, que nada! Vai ser orgulho dos seus pais ;)
Beeijos!

Luciana disse...

Achei que nunca leria o livro que lhe dei. Você dará muitas risadas ainda e se identificará com o personagem e sua falta de espaço em sociedade ignorante.

aline naomi disse...

Lu,
acho que você conhece um pouco da minha mente doentia e da minha vontade de fazer tudo ao mesmo tempo... teve uma época em que comecei a ler uns seis livros juntos e deixei todos - foi quando eu estava em odonto. Então você tem que me perdoar :)
Mas agora vou ler rapidinho. O livro é pequeno e a leitura muito gostosa!
Muuuuuuuito obrigada!
Beeijos!