Pages

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Do assalto ontem

Foi tudo muito rápido. Estávamos andando para a minha casa, eu e a Yuri, quando dois carinhas surgiram do nada, falando para dar as coisas. Fiquei paralisada, meio em estado de choque, enquanto um deles mexia na minha bolsa. E a Yuri argumentando que eles podiam pegar o dinheiro, mas que queria a carteira e os cartões de volta (!!!) e foi andando atrás deles, pedindo a carteira. Eu queria ter saído correndo atrás dela, gritado pra ela deixar os caras irem embora e puxado ela pro sentido contrário, mas não conseguia me mexer do lugar onde tínhamos sido abordadas e a voz não saía. Choque. Quando um dos caras começou a mexer no bolso traseiro da calça, pensei que pudesse ser uma arma, aí comecei a andar, tremendo, eu tinha que puxar ela para o meu lado, porque percebi que ela não tinha muita noção de perigo e eu me sentia responsável de alguma forma, então me deu muito pânico de que algo acontecesse com ela. Foi quando a porta da farmácia por onde eles estavam passando se abriu, saíram vários funcionários, um deles agarrou um dos ladrões e falou: "Tá preso!", e o outro ladrão saiu correndo. Chamaram a polícia, vi a viatura, via tudo como se não estivesse acontecendo de verdade. Fizemos o restante do trajeto praticamente em silêncio. Eu não conseguia falar.

De meu, levaram só um celular barato, não mexeram na minha carteira nem nos documentos. Já resolvi o problema do celular hoje - comprei outro barato e descartável e mantive o número. E o mais importante: estamos vivas e bem.

5 comentários:

Old Little Girl disse...

que loucura né?
pra nunca mais!
rs

aline naomi disse...

Ah, nem me fala!!
Ainda bem que a minha memória é fraca, daqui a pouco já esqueço.

Karen disse...

Nossa, eu morro de medo disso! Mesmo que não haja arma, é sempre um tipo de violação...

A polícia não devolveu nada? Onde e em que horário foi isso?

Tati disse...

Pior é que eu estou sem palavras também... Nem sei o que comentar.

Bom, pelo menos estou feliz, pois você e a Yuri estão vivas!

Bjus,
Tati

aline naomi disse...

Karen,
aconteceu mais ou menos perto da estação Tucuruvi, lá pelas 22h (?). A Yuri conseguiu a carteira de volta, porque os funcionários da farmácia seguraram o cara; não sei se a polícia prendeu o outro que levou meu celular, mas eu nem queria saber, só queria sair de lá...

***

Tati,
a vida é mais importante do que qualquer coisa. Se os caras falassem: "Passa a bolsa toda", eu passava na hora. Que levassem tudo e nos deixassem em paz. E, no fim das contas, fiquei feliz, porque a dor de cabeça poderia ter sido maior: nem levaram os documentos.

Mas passou! Foi só um susto.

Beijos!