Pages

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Hold on


"Well your old hometown is so far away
But, inside your head there's a record
That's playing, a song called
Hold on, hold on
You really got to hold on
Take my hand, I'm standing right here
You got to hold on."
(Trecho da música Hold on, de Tom Waits)


A dor humana quase sempre é um choque para mim. Nessas horas eu só queria ser um daqueles anjos do Wim Wenders e soprar no coração das pessoas: "Tudo isso vai passar e tudo vai ficar bem".

4 comentários:

Sharlene disse...

Puxa... adoro esses filmes, tanto o Asas do Desejo, como Tão Longe, tão perto. Tão longe tão perto, mais ainda... principalmente no texto final e texto inicial, que eles dizem que não são a mensagem e, sim, somente os mensageiros.
Beijossss...

aline naomi disse...

Shar,
"Asas do Desejo" entra no meu top 3 de cinema. É um dos meus filmes preferidos, talvez O preferido, já vi várias vezes. Devaneio meu, mas se me perguntassem o que quero ser na vida, eu responderia: anjo. Para passar algo de bom pras pessoas, mesmo que tivesse que abrir mão das sensações humanas e de enxergar colorido...

Beeijo!

Lúcia Harumi disse...

Pois é, alguém aqui chegou p/ fazer vc pagar um "King-Kong". Quem? Ti-ti-a!!!Te descobri aqui por acaso. Estou me sentindo "voyeur"(é assim?). Queria te dizer que tudo tem a ver com DNA. Nunca soube de vc escrever diário!!??!!Eu escrevo e era meio que um segredo, pois diário não era coisa de adolescente? E eu, hum, bem, quer dizer, vc sabe, minha idade...
E o seu Dityan (88 anos) escreve desde, pelo menos, qdo se casou (há 59 anos), conf sua Batyan. Gostar de ler tbém. O Di gostava, a Ba gosta, sua tia-avó gostava, eu gosto. E quando eu ainda não estava "apartada", tentei imitar meus avós (seus bisavós): Ele (Frank) estava lendo biografia de Akio Morita, na cama, e eu pedi para ele ler em voz alta (para eu conhecer tbém, matando 2 coelhos...tal...porque eu não gostava de biografias, mas queria saber). O problema é que me dava sono e acabava embarcando no sono e ele lendo alto à toa. Acabei...sem saber da vida do cara. Assim sua bisavó fazia: deitada de bruços, à luz de lampião, lia para seu bisavô, deitado de costas. E ele, conforme a estória ia praguejando para os personagens: "sem-bergonha", "desguraçado"...(no seu português com sotaque). Isso no final dos anos 60, início dos 70, praia Martim de Sá (moravam lá, quando caiu a tromba d'água em 67).
Acho que é história de seus antepassados que vc não conhecia. É de graça, tá? Juro que não cobro.
Quanto a se achar anormal: Outro dia tive vontade de comer sanduiche de queijo, presunto e ...doce de leite, sabendo que ia me dar dor de barriga. E comi... E deu... Acho que vou me tratar para melhorar o DNA e vc ter salvação (por amor a vc). Watashi anata wo daisuki. Kisses
Ti-ti-a Lúcia Harumi

aline naomi disse...

HAHAHAHAHAHAHHAHA!!
Tia!! Que surpresa, você me achou! Como é um blog/diarinho meio de bobagens, eu nem divulgo.
Eu não sabia que o ditian escrevia diário! Nunca vi ele escrevendo, pelo que me lembre. Se ele escreve há 59 anos, deve ter VÁRIOS cadernos. Nossa, eu preciso aprender japonês, um dia, se puder, quero ler tudo. Ah, sim, e obrigada por não cobrar por contar essas histórias (até porque não tenho dinheiro para pagar pelos royalties! haha).
E um dia eu ainda vou fazer alguém ler na cama pra mim - tem uns livros que é mais legal ler em dupla pra ir comentando! =)
Bom, bem-vinda, tia! Aqui o voyeurismo está liberado ;)