Pages

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Só mais algumas notas sobre Air doll

Ontem, revendo o filme (já escrevi sobre ele aqui), lembrei do que alguém escreveu na rede social para cinéfilos Filmow: que, de certa forma, somos todos "usados" por outras pessoas. Nozomi, a boneca inflável, repete várias vezes que é apenas uma "substituta para os desejos sexuais", ela é apenas uma substituta, é apenas um objeto usado para satisfazer os desejos dos outros.

É estranho quando penso que muitas pessoas também agem dessa forma. Usando outras como "substitutas", como se as pessoas fossem todas iguais, descartáveis e substituíveis. Por exemplo, quando terminam um relacionamento e logo buscam outra pessoa para colocar no lugar, para esquecer a dor, para terem de volta um pouco do que sentiam anteriormente - aliás, Nozomi é o nome de uma ex-namorada de seu dono... cansado de se relacionar com mulheres, ele compra a boneca para resolver seus problemas. Não estou julgando (quem sou eu para julgar o que as pessoas fazem ou deixam de fazer?), mas quando penso nisso, dá uma sensação de vazio. As pessoas ficam com qualquer pessoa só para não estar sozinhas, então tanto faz estar com Fulana ou Ciclana, no fundo, dá tudo na mesma. Ai, que triste, eu não quero me tornar isso. Quero sempre que todo mundo que eu escolher para estar na minha vida, seja amor, seja amigo, seja especial e insubstituível. E, se tiver sorte, espero ser especial e insubstituível para algumas pessoas também.

5 comentários:

@Flafli disse...

Escolher substitutos é o pior caminho pois é possível sentir-se sozinho mesmo estando com alguém, entende?

Dói mais... sei lá... eu acho.

aline naomi disse...

Flafli, eu também sinto assim. E deve ser muito estranho "acordar" um dia e se perguntar: "Mas o que estou fazendo com essa pessoa?"... e perceber que ela não faz muita diferença.

.:*Mandy*:. disse...

É por isso que permanecerei sozihha o tempo que for. Depois do que me aconteceu no passado, é tudo ou nada. Ou acho alguém sensacional, ou fico do jeito que estou.

Opa, pintou ideias na cachola. Bora escrever no blog, hahaha

Beijos

Tati disse...

É... não dá certo pra mim essa coisa de ficar só por ficar. Não consigo não sentir nada por alguém. Quando gosto, eu gosto; quando odilho, odilho! :P

E, não te preocupa, que uma pessoa tão legal quanto você nunca será uma substituta e nunca vai tratar ninguém como substituto.

Bjus!

aline naomi disse...

Mandy,
estou curiosa pra ler o post. Adoro essas questões!
E também estou aguardando os novos posts da série! =)
Beeijo!

***

Tati,
obrigada pelo "uma pessoa tão legal quanto você" *risos*
:-**