Pages

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Cópia Fiel - Abbas Kiarostami


Fui ver esse filme. Duas vezes. (Como se não bastasse uma.)

Na primeira vez, fui numa sexta, na Reserva Cultural, dormi da metade pro final do filme. Acordei alguns minutos antes de ele terminar e depois vi todo mundo empolgado, comentando, enquanto saíam da sala - e eu perdida. Pensei: "Putz, perdi algo extraordinário!". Pensei em não ver mais peças nem filmes nas sextas, por causa do cansaço acumulado, mas acho que não tem a ver tanto com isso. É que o filme é chato mesmo. (Não, não vou fazer a cult e dizer que o filme é maravilhoso e que eu adorei, porque isso está bem longe da verdade.)

Sem suspeitar que dormi no filme porque ele era chato, tentei mais uma vez no Espaço Unibanco da rua Augusta, algum tempo depois. Não dormi em nenhum momento. E me senti enganada. Todos os comentários de "OH, que filme maravilhoso", para mim, não faziam muito sentido. Deu vontade de ir lá na bilheteria e falar pra moça: "Não gostei, posso trocar meu ingresso para ver outro filme melhor?".

Apesar de tudo, a Juliette Binoche atua lindamente.

A suposta grande sacada do filme é assim: há um escritor que escreve um livro sobre cópias de artes e vai lançá-lo na Itália. Lá ele encontra uma mulher (Juliette Binoche) que quer discutir aspectos do livro dele. Os dois saem para passear num lugar bucólico e conversar. Depois de um tempo, não sabemos mais se o casal acabou de se conhecer ou se são um casal de verdade, fingindo que acabaram de se conhecer para refrescar o amor, por causa dos diálogos ambíguos que eles travam.

Para mim o filme se arrasta, parece que não vai acabar. Não foi uma experiência boa - apesar das estrelas máximas no Guia Folha e dos milhares de posts e tuitadas elogiosos.

3 comentários:

Karen disse...

Kiarostami tem esse efeito... rs

aline naomi disse...

Hahahaha! Mas pior que de "Gosto de cereja" eu gostei quando vi há uns dez anos...

Karen disse...

Vi "gosto de cereja" duas vezes, mas se me perguntar qual era o tema do filme, juro que não me lembro...