Pages

domingo, 15 de abril de 2012

Ocupação Angeli no Itaú Cultural


Há algumas semanas eu e a Yuri fomos ver a exposição do cartunista Angeli, no Itaú Cultural, e recomendo.


Arnaldo Angeli Filho nasceu em São Paulo em 1956, publicou seu primeiro trabalho na revista Senhor, aos 14 anos, e, em 1973, inaugurou o espaço de charge política do jornal Folha de S. Paulo. Atualmente, desenha para a Folha de S. Paulo e para o seu site. Mais sobre a biografia dele, aqui.

Eu conhecia alguns personagens, como a Rê Bordosa:

Foto tirada na exposição

e Os Skrotinhos:

Tirinha retirada do blog Coisa Séria

porque eu os via direto nos jornais. Mas o Angeli tem vários outros personagens e trabalhos...

Dentro da geladeira retrô vermelha...

... pinguins!





Dentro das gavetas...

... diferentes materiais de trabalho e arte.






Havia também uma sessão para maiores de 18 anos. "Se você for maior de 18 anos, não conte para os seus pais!", como diria o Marcelinho (já viram uns vídeos do "Marcelinho lendo contos eróticos" no YouTube? Marcelinho é um fantoche que lê e comenta contos eróticos encontrados na internet, é muito engraçado - vários amigos indicaram, falando "veja, você vai gostar disso!" e, realmente, vi e gostei... tenho a impressão de que uns amigos me acham pervertida! =D).

Rê Bordosa

Nas paredes da sala para maiores de 18 anos, elementos fálicos


Alguns "dildos" encobriam buracos...

... com esse tipo de arte erótica...

!



O quê? Ocupação Angeli
Quando? De 16/03 a 29/04/2012 - de terça a sexta, das 9h às 20h e sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Onde? Itaú Cultural - Av. Paulista, 149 - Paraíso - São Paulo-SP (próximo à estação de metrô Brigadeiro)
Quanto? Grátis
Site da exposição: clique aqui

4 comentários:

Lúcia H> disse...

Certa vez, matei uma cobra dentro de casa. Fiquei com tanto medo que tivesse outra, que chamei o Frank para revistar a casa toda. Debaixo dos móveis, cada canto. Soube que elas gostam de cantos escuros, passei um ano dormindo com todas as luzes acesas. Na terapia, ao contar o acontecido, o Dr.: "Seu ex-marido na sua casa, procurando cobra, eu diria que Freud explica. Entendeu?" E eu, bem séria: "Entendi, e não achei graça." Aí, caimos na risada, os dois. Ao ver os desenhos que vc colocou (símbolos fálicos), lembrei dessa sessão. Às vezes eu chorava (e chamava ele de pão-duro por não me oferecer lenços de papel) e às vezes, como essa sessão eu ria muito. E assim foi.

Lúcia H> disse...

Certa vez, matei uma cobra dentro de casa. Fiquei com tanto medo que tivesse outra, que chamei o Frank para revistar a casa toda. Debaixo dos móveis, cada canto. Soube que elas gostam de cantos escuros, passei um ano dormindo com todas as luzes acesas. Na terapia, ao contar o acontecido, o Dr.: "Seu ex-marido na sua casa, procurando cobra, eu diria que Freud explica. Entendeu?" E eu, bem séria: "Entendi, e não achei graça." Aí, caimos na risada, os dois. Ao ver os desenhos que vc colocou (símbolos fálicos), lembrei dessa sessão. Às vezes eu chorava (e chamava ele de pão-duro por não me oferecer lenços de papel) e às vezes, como essa sessão eu ria muito. E assim foi.

Lúcia H. disse...

Meu computador está lerdo, acabei teclando 2 vezes. Sorry

aline naomi disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!