Pages

sábado, 23 de junho de 2012

O Paraíso de Zahra - Amir e Khalil


No começo do mês comprei a HQ O Paraíso de Zahra, porque o autor iraniano-americano "Amir" e o desenhista iraniano "Khalil" viriam ao Brasil para um bate-papo no Itaú Cultural do qual eu queria participar e também queria o autógrafo dos dois. Depois acabaram cancelando o bate-papo porque os ilustres convidados tiveram problemas para vir. Mas valeu mesmo assim. A HQ, indicada pela Lana no ano passado, estava na minha lista de leitura.

O livro é fictício mas baseado em fatos da história recente do Irã. Em 2009, muitos estudantes foram às ruas para protestar contra o resultado das eleições presidenciais e vários foram considerados "desaparecidos". Mehdi, filho de Zahra, é um desses estudantes. Ela e o irmão (narrador da história) fazem de tudo para encontrá-lo, mas isso se torna quase impossível diante da situação caótica e ditatorial do país. Às vezes é difícil imaginar o que pode acontecer de mais terrível a alguém, mas nessa HQ dá para ter uma ideia. Fiquei meio deprimida depois de ler; é um soco no estômago. Sempre fico pensando como é possível uma coisa dessas acontecer no século XXI. Parece que a humanidade não progrediu nas coisas mais fundamentais. E me deu um certo pavor ao pensar que se o Brasil um dia for dominado por uma política de base fundamentalista religiosa, o que não é algo impossível de acontecer, tudo isso que parece muito distante da nossa realidade se repetirá aqui. "Deus" justificaria qualquer atrocidade por parte dos governantes contra pessoas que pensam e agem diferente do estabelecido.

O autor e o desenhista usaram pseudônimos para não sofrer represálias dos aiatolás, então imagino que eles coletaram depoimentos de muitas famílias iranianas para desenvolver esse trabalho - iniciado em forma de graphic novel online. Neste site dá para ler os primeiros capítulos: http://www.zahrasparadise.com/.

Apesar desses pesadelos acometerem o Irã, tenho vontade de aprender persa e conhecer o país. O Irã deve ter uma cultura riquíssima. Quando eu estava na faculdade, tinha uma amiga por correspondência de lá, ela morava no Teerã, era casada e escrevia para alguma revista (infelizmente hoje raramente escrevo cartas, só e-mails e olhe lá), mas depois de um tempo ela parou de me escrever; não sei o que pode ter acontecido, mas agora entendo como o país é instável. Talvez minhas cartas nem tenham chegado a ela e as dela para mim nem tenham conseguido sair de lá. Dela guardo uma lembrança muito bonita. Foi ela quem me escreveu uma vez algo assim: "Gosto quando chove porque vejo vários guarda-chuvas coloridos nas ruas, acho bonito". Daí, quando chove e vejo vários guarda-chuvas coloridos nas ruas, lembro dela.

Mais sobre a HQ pode ser lido no site da Editora Barba Negra: http://www.editorabarbanegra.com.br/project/o-paraiso-de-zahra/, selo da Editora Leya para quadrinhos.


Nenhum comentário: