Pages

domingo, 11 de novembro de 2012

Ausência on-line e vida off-line

Como fazia quase um mês que eu não postava nada aqui, estou com ideias para uns 20 posts. Sério. Vou publicar uns ainda hoje e outros vou programar para os próximos dias (uso o Blogspot há anos e só há alguns meses descobri que é possível programar dia e hora para o post ser publicado - os posts com horário 00:00 foram programados; usarei esse padrão sempre).

Em outubro, li sete livros (!). Meu recorde de leitura desde que virei adulta, comecei a trabalhar etc. Porque, como a maioria deve saber: virar adulto = ter menos tempo para ler.

Por enquanto, ainda não faltei em nenhuma aula do MBA [aliás, o próximo post é sobre ele], tenho estudado para as provas e feito uns trabalhinhos em grupo.

Quase não tenho cozinhado, e sinto muita falta de fazer isso.

Continuo trabalhando na editora e tenho feito alguns trabalhos de tradução e revisão free-lance de vez em quando. Devo abrir firma como MEI (microempreendedor), com cadastro de "editor de livros", em janeiro do ano que vem, para poder emitir notas fiscais. No esquema MEI, pagarei só R$ 36,10 de imposto por mês e terei um CNPJ. O nome fantasia já está escolhido e é baseado em um livro de literatura japonesa. :)

Tenho ido ao cinema, como de costume, e visto menos amigos do que eu gostaria.

Estou trabalhando em um post para o meu outro blogue, o panis et libris, que sairá em breve.

Embora a vida esteja corrida e eu tenha menos tempo para me dedicar à vida virtual, tento ver pelo lado positivo: estou vivendo tanto off-line que não dá nem tempo de compartilhar tudo. Aliás, sempre que amigos somem (de seus próprios blogues, do Facebook, do Twitter), uma parte de mim sente falta de saber notícias e a outra fica feliz, porque, muito provavelmente, eles estão correndo atrás de coisas pessoais ou profissionais importantes para eles ou para a vida deles e todo o restante fica em segundo plano por uns tempos. É compreensível. Lógico que é. :)

2 comentários:

João Paulo Hergesel disse...

Estava pesquisando algumas coisas sobre o MEI, e o google me mandou para seu blog... rs!
Também trabalho como MEI (edição de livros) e, na verdade, o valor do INSS é R$31,10 (ou pelo menos era em 2012; provavelmente haja algum reajuste). O mais caro é pagar a contabilidade, que fica em torno de R$50,00 mensais.
A única coisa ruim do MEI é que, infelizmente, não permitem nome fantasia. Eu, pelo menos, não consegui pôr.

aline naomi disse...

Oi, João Paulo!
Acabei de fazer o meu cadastro no MEI e, pelo que pesquisei, a partir do início de dezembro de 2012, o Portal do MEI incluiu a opção "nome fantasia" no momento do cadastro. Se você fez o cadastro antes disso, tem um processo que achei meio complexo: solicitar uma senha em um "posto fiscal" - dá uma olhada nesse site: http://www.contabeis.com.br/forum/topicos/51815/nome-fantasia-mei/.
E eu terei de pagar R$ 36,10 porque os R$ 5 vão para a prefeitura da cidade de São Paulo, onde moro (em 2013 também acho que haverá reajuste mesmo). Na verdade, não entendo porque algumas pessoas pagam essa taxa e outras, não (como parece ser o seu caso).
Abraço!