Pages

domingo, 9 de dezembro de 2012

Eu, os sonhos e a cocaína


Eu queria estar escrevendo isso no meu diário em papel, mas eu não sei onde ele foi parar (!). Então, antes que eu esqueça, que fique registrado aqui.

Ontem sonhei que estava cheirando cocaína. Eu estava em um lugar com várias pessoas, segurando um tipo de prato ou bandeja com muito pó - que eu cheirava com o mesmo prazer com que como uma torta holandesa ou um bolo de chocolate. Algumas pessoas se aproximavam, talvez fosse uma festa na casa de alguém, e eu continuava cheirando, porque não conseguia sentir os efeitos da droga. E foi só isso.

Nunca tinha sonhado com drogas, e nem penso em consumi-las, por isso acordei meio assustada. Depois passou.

Minha interpretação: tentativa de fuga da realidade, porque a realidade está me oprimindo ou me incomodando de alguma forma. Apesar do aviso inconsciente, no momento, não há nada que eu possa fazer para mudar a minha vida como ela está.

4 comentários:

Lúcia H. disse...

Acho que vc interpretou bem. Outro dia minha amiga queria comprar um livro de interpretação de sonho. Não acredito nesses livros. Se a gente observar nossa própria vida e os momentos que estamos passando, podemos analisar nossos sonhos, como vc fez. Aprendi isso há uns anos, quando meu terapeuta disse "Não consegue entender seu sonho, mas é tão evidente?!". Observei... Aprendi. Vc sacou rápido.

aline naomi disse...

É, tia, também concordo que livros de interpretação de sonhos não funciona muito - porque o mesmo sonho pode ter significados completamente diferentes dependendo da pessoa!
Às vezes consigo interpretar os meus sonhos, às vezes, não, porque parecem não ter absolutamente nada a ver com a fase que estou passado (muitas vezes estou bem e sonho coisas ruins, por exemplo, e não sei explicar).

Lúcia H. disse...

É difícil mesmo, acho que porisso dizemos INTERPRETAR. Tipo: previsões de Nostradamus, cada um interpreta do seu jeito divulga e assusta meio mundo. Rs. Veja: quando eu fazia faculdade, véspera de provas eu sempre sonhava coisas ruins. Cemitério, caixões, velas brancas ficando pretas. Coisas que me davam medo (preparada ou não tinha medo de não ir bem). Quando me sinto exposta: sonho que saí de casa sem sapatos ou alguma peça de roupa ou que quero ir ao toilette e não tem porta. Agora um sonho recorrente: que estou lendo un texto muito interessante, sei que estou sonhando e quero levar esse texto ao acordar. "Ni qui" desperto, some tudo. Acho que é o livro que vou escrever. Rsss.

aline naomi disse...

HAHAHAHA!! Nossa, esses sonhos de ir ao banheiro e depois a porta sumir ou sair de casa e descobrir que está sem uma peça de roupa eu também já tive bastante quando era adolescente, hoje, raramente. Acho que é isso mesmo: reflete a sensação de estar exposta ao ridículo ou de ser criticada em público.
Tia, você tem que escrever sobre isso! A ideia renderia um texto ótimo!