Pages

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Um girassol para a lua


Para Y.

Ela é a lua. Eu sou o sol. Quando me levanto, ela se recolhe. E fica desperta a noite inteira. Nem sempre iluminada, nem sempre melancólica. Desperta depois do meio-dia e, quando sabe que estou em casa, me chama para a cama. Sigo sua voz de hipnotizador de serpentes e me deito, meio enfeitiçada.

Não sei precisar o quanto devo a ela. Talvez um rim. Ou alegrias de uma vida inteira. 

Quando a conheci, não sabia o que ela tinha para mim. Quais presentes, quais mistérios, quais ensinamentos. Ainda hoje não sei.

Só sei que sou feliz. Como um girassol.


3 comentários:

Anônimo disse...

Saudade dos seus textos! Sempre lindos, parabéns!

Lúcia Yamanouchi disse...

Ótimo!!!!

Amanda Steffen disse...

Que amor! Lembro de quando você a mencionou pela primeiríssima vez no blog, foi muito despretensioso. E de repente, ela nunca mais deixou de aparecer nos posts.
Ah, e amei a foto, por que será, heim? rs
Beijos :*