Pages

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Manual de bons modos no transporte público

Eu já vinha pensando neste post há um bom tempo, mas depois do que me aconteceu na semana passada, agora é o momento de tirá-lo da cabeça e colocá-lo aqui. 

Na semana passada, já não lembro em que dia da semana, na volta do trabalho, depois de uma garota ter sentado ao meu lado, na poltrona do corredor, e descido em um dos primeiros pontos chegando em São Paulo, um cara se sentou ali e começou a se masturbar. Simplesmente se sentou, colocou um casaco no colo, depois a mochila por cima e, com a mão esquerda, começou a se tocar por baixo do casaco. Percebi só um tempo depois, com o rabo de olho, porque estava lendo. Daí, guardei o livro na mochila, pedi licença e fui sentar lá na frente, perto do motorista. Sorte que andar armado é ilegal, porque talvez eu comprasse uma arma e, se estivesse armada naquele momento, talvez falaria: "Você vai morrer agora, seu filho da puta!", sacaria a arma e explodiria os miolos do camarada. Voaria miolos para todos os lados, no estofado aveludado da poltrona, nas cortinas azul-marinho, nos vidros das janelas, no chão do corredor. E eu seria injustamente presa. [Aliás, foi essa a cena à la "Suicide Club" que imaginei logo depois desse episódio, de tanta raiva e repulsa.] 

Como pego o ônibus executivo quase vazio no começo da linha, tanto na ida (São Paulo-Alphaville) quanto na volta (Alphaville-São Paulo), sempre vou na poltrona da janela, na fileira do lado do motorista, na antepenúltima fileira - depois de um tempo escolhi essa poltrona e sempre que possível, sento nela. Às vezes vou ou volto com a poltrona ao lado vazia (gosto assim, porque coloco minha mochila nessa outra poltrona), mas, na maioria das vezes, vem alguém sentado ali, porque os ônibus costumam encher. Mas esse episódio do cara se masturbando para mim era inédita. Uma amiga que também trabalhou anos em uma editora em Alphaville e pegava essa linha disse que já tinha ouvido falar dessas coisas, embora ela mesma nunca tenha visto nem passado por isso (pior, esse ano ela foi vítima de algo bem pior, um senhor se esfregando nela no micro-ônibus e, detalhe: com o pinto para fora). Eu nunca tinha ouvido falar que esse tipo de coisa acontecia na linha que eu pegava e fiquei chocada com a falta de noção do cara. E mais ainda com a situação surreal que minha amiga vivenciou. Não, gente, isso não é normal. Essas pessoas são doentes.

Então, abaixo segue uma lista de bons modos em transporte público, para podermos conviver de modo mais civilizado, certo? Vale principalmente para metrô, ônibus e trem, mas também pode ser aplicado para outras áreas públicas em que o convívio social é inevitável.

1. Não se sente nos assentos reservados para idosos, pessoas com deficiência, grávidas e pessoas com crianças de colo. Muito menos sente nesses assentos e finja que está dormindo quando um idoso entrar, só para não ceder um lugar que é direito dele.

2. Não fique conversando horas no telefone celular, em voz alta, sobre assuntos que não interessam a ninguém a não ser a você mesmo(a). Ninguém é obrigado a ouvir com quem você está saindo, com quem trepou na noite passada, se o seu marido está te traindo ou como foi seu exame de fezes.

3. Se o metrô, ônibus ou trem estiver cheio, por favor, segure mochilas, sacolas e bolsas grandes na mão, pois elas atrapalham demais quem está passando, entrando ou saindo. Fora que levar a mochila nas costas em transporte público lotado é pedir para ser furtado.

4. Sempre que tiver espaço nos corredores, não fique perto das portas (e muito menos no meio delas!) impedindo o fluxo de pessoas. Sei que é óbvio, mas sempre tem uns cretinos que sobem no começo da linha, vão descer quase no final e ficam atrapalhando o fluxo, mesmo quando o ônibus, metrô ou trem está vazio. 

5. Ouça música com fones de ouvido, sempre. As pessoas não querem ouvir uma amostra do seu gosto musical "maravilhoso". E teste os fones de ouvido antes de usá-los (os mais vagabundos sempre deixam escapar som, o que pode incomodar as pessoas ao redor do mesmo jeito).

6. Tudo bem que você está megafeliz, mas não precisa ficar cantando alto e desafinado músicas da Britney Spears, sertanejo, pagode, gospel ou o que quer que seja dentro do ônibus lotado.

7. Ao se sentar, se já houver alguém no assento, não precisa se jogar, como se fosse um saco de batatas. Assim como não precisa ficar se encostando (pernas, braços ou o que for) na pessoa e nem batendo os pés ou mexendo freneticamente dentro da bolsa/mochila e esbarrando o cotovelo na pessoa ao lado. 

8. Não fique andando nas plataformas de ônibus, metrô e trem olhando para o celular e/ou usando o WhatsApp. Isso atrapalha quem quer passar, principalmente nas horas de pico. Vá para um lugar que não atrapalhe, faça o que tiver que fazer no celular e depois volte para o fluxo.

9. Não custa nada ficar parado ao lado direito da escada rolante nas estações de metrô e deixar o lado esquerdo livre para quem está com pressa para chegar ao trabalho, à faculdade ou aonde quer que seja. Imagine que você trabalha na Zona Sul e, ao sair do trabalho, precisa estar na faculdade na Zona Norte em tempo recorde, porque a professora faz a chamada nos primeiros 10 minutos de aula e você não pode mais faltar naquela matéria - você vai entender melhor do que estou falando.

10. Não jogue lixo dentro dos transportes públicos e não deixe que seus filhos ou as crianças/ pessoas com que está viajando façam isso. É óbvio, mas nem tanto (pela quantidade de lixo no chão dos vagões de metrô que vejo às vezes...).

11. Procure não comer coisas perecíveis de origem duvidosa vendidas em barracas ou de ambulantes, principalmente em dias quentes, para evitar vomitar nos outros ou dentro do transporte público. Os outros usuários agradecem.

12. Se for se matar, procure não se jogar nos trilhos do metrô/trem e nem na frente de um ônibus de segunda a sexta entre 6h e 9h e entre 16h30 e 19h30. As pessoas estão cansadas e apenas tentando chegar ao trabalho ou em casa. Aliás, se estiver pensando em se matar, procure ajuda com amigos, familiares, psicólogo, psiquiatra ou ligue para o CVV. Para tudo há um jeito se você continuar vivo e buscando o equilíbrio.

13. Por último, mas não menos importante: não se masturbe dentro do transporte público. E muito menos fique assediando/bulinando as pessoas (vale para homens e mulheres - embora nunca tenha ouvido falar de mulheres que assediam caras, já não duvido de mais nada nesse mundo). Pode ser que a pessoa tenha amigos "da pesada" que vão te dar uma surra merecida para você deixar de ser cretino.

Provavelmente há várias outras dicas de bons modos a ser seguidas, mas no momento só consegui pensar nessas.

***

Itens incluídos posteriormente:

14. Não fique fumando na fila do ônibus. Por uma questão de educação e respeito às pessoas que estão ali porque precisam estar e não porque querem. Fumaça de cigarro incomoda não fumantes, apesar de os fumantes, aparentemente, não estarem nem aí para isso.

15. Não tente entrar no último segundo nos vagões do metrô. Nunca contei, mas, em horários de maior movimento, o intervalo entre um trem e outro deve ser de 2 ou 3 minutos - sério. Então pra que correr o risco de se machucar? Outro dia duas garotas com umas bolsas grandes entraram correndo depois do apito (quando faltam uns 3 segundos para as portas se fecharem, há um apito avisando) e o braço de uma delas ficou para fora, talvez com a bolsa (eu não vi direito). Se não fossem uns caras terem aberto a porta, a cretina talvez tivesse perdido a bolsa e o braço - vale a pena? Fora que esse tipo de coisa atrasa a partida do trem e do sistema metroviário como um todo. O metrô poderia fazer umas campanhas mais incisivas do tipo: "Por favor, parem de ser cretinos".

Obs.: Às vezes é muito difícil amar a humanidade.

16. As barras verticais nos trens do metrô e nos ônibus não são barras de pole dance, são para as pessoas se segurarem nelas. Então não fique todo encostado e/ou esfregando seu corpo nelas.

17. Não tome banho de perfume. Pode ser sufocante estar com você no metrô ou no ônibus lotado com pouco ou nenhum ar circulando durante a viagem.


8 comentários:

Tati* disse...

Ahhhh... que horror!!!
Ainda bem que isso nunca aconteceu comigo... aff... pessoas sem-noção...

Karen disse...

Algo parecido já aconteceu comigo no cinema, levantei e terminei de ver Pulp Fiction em pé perto da saída. Em ônibus, o mais comum eram os caras que cochilavam e começavam a se encostar, nada que uma boa chacoalhada não resolvesse. Tinha um cão que não podia ver alguém parado que logo vinha e trepava na perna para embaraço geral, caras que fazem esse tipo de coisa devem ser iguais, tenho pena e vontade de castrá-los (se bem que meu cão era castrado).

aline naomi disse...

Pois é, Tati!! Take care!

aline naomi disse...

Nossa, Karen. Sou tão "inocente" que nem tinha pensado na possibilidade de isso acontecer no cinema! Que asco. Nunca me aconteceu e espero que não aconteça. Que raiva precisar terminar de ver o filme de pé porque um imbecil não sabe se comportar como gente.
Castrar seria uma boa solução para esses caras ou medicação para diminuição da libido (?), quem sabe.

Lisa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lisa disse...

Adorei sua lista, me identifiquei totalmente. Principalmente o último item, sobre as barras verticais no metrô - realmente são irritantes as pessoas que ficam toda encostadas, enroladas feito uma cobra nelas (como diria meu pai), não deixando espaço para os outros segurarem. E o pior é que muitas vezes quem faz isso são pessoas altas que poderiam muito bem segurar na barra do teto e deixar espaço na barra vertical livre para pessoas baixinhas como eu, que não alcançam o teto e/ou estão cheias de sacolas, segurarem.

aline naomi disse...

Lisa,
exatamente! Também sou baixinha e não consigo alcançar as barras do alto, mas mesmo que não fosse esse o caso, não? Custa a pessoa segurar a barra e deixar espaço para outras pessoas segurarem?! GRRR! >.<

Lúcia Harumi disse...

Esses asquerosos!!!
Uma vez uma mulher esbarrou seu bundão na minha bundinha. Rss.
Achei que foi acidental e cheguei mais pra frente. O ônibus estava cheio, mas não
tão lotado. Daí, de novo!!!!! Pensei: "Caraca, não é possível que essa dona
tá fazendo de propósito!" Seu manual está perfeito. Pena que muitos não tem educação.