Pages

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Comic Con Experience 2015 - eu fui!


Para falar a verdade, nem sei como começar este post.

Não sou nerd, geek (e nem quero ser!!) e, em geral, não tenho afinidade com a cultura pop. No entanto, como a Yuri queria ir ao Comic Con Experience, falei que faria companhia, então ela comprou nossos ingressos há meses. Fui mais para ter ideia do que é este evento, para entender por que as pessoas querem tanto participar disso, o que rola exatamente. De certa forma, minha intenção era mais profissional: ver in loco o mercado nerd, que parece estar expandindo cada vez mais nos últimos anos. Não sei o que o futuro me reserva; pode ser que eu precise editar material pop, mesmo não sendo do meu gosto pessoal - deve ser o que chamam de profissionalismo, certo? Trabalhar com publicações de livros independentemente de gostar ou não, de me acrescentar algo ou não, e tentar garantir a maior qualidade possível.

Um amigo me perguntou algo sobre Frank Miller e eu: "Quem é Frank Miller?". Talvez ele tenha se ofendido um pouco ou achou que eu estava brincando por eu não ter ideia de quem era essa pessoa. Não era brincadeira e fui procurar. Descobri que ele é um "gênio dos quadrinhos", responsável por obras do tipo O Cavaleiro das Trevas, Sin City, Ronin etc. (e demais HQs pelas quais não tenho o menor interesse). O tal de Frank Miller veio lançar O Cavaleiro das Trevas III, algo superaguardado pelos fãs, parece. Deve ser superlegal inventar uma história e depois criar várias sequências. Ainda mais legal deve ser encher o bolso com esse tipo de coisa.

Arte by Naldo Junio

Abaixo os valores dos ingressos que estavam no site:

Quinta 03/12 meia-entrada: R$ 120,00
Sex 04/12 meia-entrada: R$ 120,00
Quinta 03/12 inteira: R$ 240,00
Sex 04/12 inteira: R$ 240,00
A ação “Doe um livro e pague meia” continua valendo na bilheteria, basta levar um livro seguindo as regras da ação que será concedido o desconto.


 Staff organizando livros doados

Essa onda nerd/geek deve estar movimentando cada vez mais dinheiro, o que é bom para o mercado. Imagino que o público-alvo são jovens e adultos de classe média, no mínimo, pois sustentar um estilo de vida nerd/geek não sai barato (o preço da entrada desse evento confirma isso; até a meia-entrada é bem carinha para o meu gosto - considerando que, supostamente, as pessoas ainda vão querer comprar vários produtos lá). Tem uns "bonequinhos" colecionáveis que custam uns R$ 100 (cada), aí concluo que o mercado para esse nicho é realmente muito promissor.

O que gostei de verdade foi a área de autores, principalmente dos autores independentes ou que têm um trabalho mais autoral. 

Vi os gêmeos Fábio Moon e Gabriel Bá por lá e perdi a oportunidade de pegar dedicatórias (a última HQ que li deles foi uma adaptação do livro Dois irmãos, do Milton Hatoum - é excelente! -, mas não tinha levado o livro, então nem entrei na fila para pegar dedicatórias/tirar foto).

Também vi o Gustavo Borges e a Cris Peter, que fizeram o lindo Pétalas (participei da arrecadação coletiva no Catarse para que a HQ fosse publicada e a recebi há algum tempo, autografada - depois farei um post sobre isso).


Comprei esses quatro livros. Se tivesse mais grana, compraria vários outros. Estou curiosa especialmente com o Bocas Malditas, pois é uma HQ com lendas urbanas de Curitiba e eu nunca tinha ouvido falar dessa HQ, além de eu gostar de lendas urbanas/ de terror.


Havia algumas coisas que eu reconhecia, personagens infantis e uma modelo vestida de Malévola (linda!), mas muita coisa eu não tinha ideia do que era... como não gosto de histórias de super-heróis nem de Star Wars, eu realmente ficava boiando em algumas áreas do evento.

Vejam mais fotos:



Nesse stand do filme "Alvin e os Esquilos", havia um karaokê em que as pessoas podiam cantar, e o que eles cantavam saía com a voz irritante dos esquilos. Era bem irritante.


Stand da JBC, que parecia uma tenda para vender comida japonesa...



Mauricio de Sousa também marcou presença por lá com um stand grandinho e com uma loja onde se podia comprar vários produtos da Turma da Mônica. Achei os preços salgados. Não que eu fosse comprar, mas não pago R$ 50, R$ 60, por uma camiseta com estampa da Mônica "geek", por exemplo.





Divulgação da animação "O Bom Dinossauro"...



Malévola!


Hello Kitty!! =^.^=
  
 




Essas almofadas à venda acima, do lado direito, eram provavelmente para as pessoas dormirem abraçadas com elas achando que estavam ficando com as garotas da estampa. Deve ser ideia importada do Japão...





Se eu volto para a CCXP 2016? Não sei. Talvez.

Update (10/12): Ontem li esse texto ótimo e mil vezes melhor que o meu post, escrito pelo Silvio Alexandre, colunista da PublishNews: Crônicas da Comic Con: entendendo a Cultura Pop
Agora tenho certeza de que vender para o público nerd/geek é um ótimo negócio. Quem tem esse público como alvo já sabe que é um público que, em geral, tem um poder aquisitivo e cultural acima da média brasileira (ou seja, quem consome "cultura geek" tem grana, basta conquistá-lo e convencê-lo a comprar mais do mesmo). É diferente de se trabalhar com um público que talvez tenha grana (ou não) e que talvez se interesse (ou não) pelos produtos que são lançados/ vendidos.

4 comentários:

Tati* disse...

Ah... não sei porquê, mas achava que vc gostava dessas coisas nerds... fui na CCXP de sexta a domingo e tirando as filas, achei muito legal!! Faltou vc colocar no post a piscina de bolinhas da Dori!! E, talvez se vc tivesse visto o painel do Frank Miller, vc teria virado fã dele ;)

aline naomi disse...

Oi, Tati!!
Hahaha, será que tenho cara de "nerd"? (Com óculos talvez as pessoas tenham essa impressão...) Mas não curto a maioria das coisas "nerd", não.
Você foi todos esses dias a trabalho ou por prazer?? Não sabia do seu lado nerd! =)
Nossa, eu vi essa piscina de bolinhas da Dory, queria entrar, mas tinha uma filinha e não quis enfrentar. Não tirei foto também. Se tiver uma foto disso, me manda, please! Eu posto aqui e dou os créditos. ;)
E talvez eu virasse mesmo fã do Frank Miller; adoro ver/ouvir artistas falando sobre sua arte - em quadrinistas, em geral, dá para perceber o tanto de amor que eles colocam no que fazem, o que acho muito inspirador. É preciso colocar amor em tudo que fazemos, né? Ou pelo menos tentar fazer isso.

Tati* disse...

Haha... acho que é pq já te vi lendo quadrinho (acho que era vc... hehe).
Eu fui pelo trabalho a lazer... mas sinceramente, não sei se teria ido se tivesse que pagar... acho caro...
Eu só tenho foto comigo dentro da piscina... haha... tava fila, mas não resisti.

aline naomi disse...

Hahahaha... sim, provavelmente era eu lendo "V de Vingança" (gostei muito dessa HQ, aliás, e também do filme).
Sim, sim, o ingresso é caro, mas gostei de conhecer o evento e saber como é. Fico pensando na parte dos quadrinistas e na oportunidade de conversar um pouco com eles, de pegar dedicatórias e tal, e me dá vontade de voltar ano que vem. Mas vai depender do bolso :)