Pages

sábado, 3 de dezembro de 2016

A garota no trem, de Tate Taylor


Semana passada eu e a Yuri fomos ver A garota no trem (The Girl on the Train) no Cinemark do shopping Pátio Paulista, na região da avenida Paulista, porque tínhamos um voucher do MasterCard Surpreenda* para usar.

Eu queria ter lido o livro homônimo, escrito por Paula Hawkins, antes de ver o filme, mas achei melhor aproveitar o tempo livre e ir logo, antes que o filme saísse de cartaz. 

Li algumas críticas negativas sobre o filme, especialmente de quem já tinha lido o livro, mas eu gostei. Me fez pensar sobre o lado sombrio do ser humano e lembrei de histórias que vi no ID (Investigação Discovery) na casa dos meus pais. Gosto de histórias de suspense e, ao mesmo tempo, me dá calafrios ter consciência de que muitas pessoas aparentemente normais podem ser assassinas frias e dissimuladas. (Aliás, esses dias li matérias sobre a Elize Matsunaga, a mulher que matou e esquartejou o marido em 2012 e está sendo julgada essa semana, e fiquei pensando que se essa história fosse ficção, talvez pareceria inverossímil.)

Voltando ao filme, a garota no trem é Rachel, uma mulher alcoólatra que está tentando superar o divórcio. Ela mora de favor na casa de uma amiga e todos os dias pega um trem para Nova York para chegar ao trabalho - depois descobrimos que ela havia sido despedida há mais de um ano e apenas fingia ir para o trabalho. Ao longo do trajeto de trem, ela passa por uma paisagem muito bonita beirando o rio Hudson, e costuma prestar atenção em uma casa específica, onde sempre vê um casal que parece ter uma vida perfeita - eles são bonitos e parecem muito apaixonados. A mulher, Megan, desperta interesse em Rachel por ter a vida que ela provavelmente queria ter. Mas Megan desaparece e é assunto nos noticiários da TV.

Pouco antes de Megan sumir, Rachel a vê do trem. Megan estava na varanda beijando um homem que não era seu marido e Rachel pira ao ver a cena. Como Megan podia estar traindo o marido? Ela, que tinha um marido perfeito e uma vida perfeita? Ou pelo menos é o que Rachel achava. 

Quando uns policiais vão até sua casa, Rachel não consegue explicar onde esteve na noite em que Megan sumiu. Ela havia tido outro "apagão" por ter bebido demais e não se lembrava de muita coisa. Talvez para se livrar da suspeita de assassinato, ela conta para o marido de Megan o que viu e eles unem forças para tentar desvendar o desaparecimento de Megan.

Há a suspeita de que o terapeuta de Megan possa estar envolvido no caso e o relacionamento tumultuado entre Rachel, seu ex-marido e a nova esposa dele também vem à tona. Em meio aos acontecimentos, Rachel às vezes se lembra de episódios que aconteceram durante seus apagões, mas não dá para saber se são verdadeiras ou apenas memórias forjadas.

Depois de muitas reviravoltas, tudo vai se esclarecendo. Li não sei onde que leitores e espectadores de suspense gostam de ser "enganados" e surpreendidos, e para mim é verdade. Acho que gostei do filme porque não esperava aquele final. Quero ler o livro, que deve ter muito mais detalhes psicológicos dos personagens.


* "MasterCard Surpreenda" é um programa de fidelidade em que basta se inscrever no site para que pontos sejam creditados sempre que o cartão de crédito ou débito MasterCard é usado - dá para cadastrar vários cartões. Um dos prêmios é a troca de 10 pontos por um ingresso no Cinemark na compra de outro ingresso inteiro - isso acaba valendo mais a pena para quem não tem carteirinha de estudante. Outro prêmio - o meu preferido - é a troca de 5 pontos por um pote de sorvete da Häagen Dasz (um pote com duas bolas ou outras opções mais elaboradas) na compra de outro pote igual. Nesse dia, fomos ao cinema e depois tomamos Häagen Dasz pela metade do preço (!). Uma opção de prêmio que me intriga é a troca de 15 pontos por um pacote de viagem na compra de outro pacote igual para algumas cidades do Brasil - por pacote, entenda-se passagem aérea e acomodação em um hotel que eles escolhem e não há tantas opções de data. De qualquer forma, a viagem sairia muito barata. Eu queria testar essa aventura no futuro para ver no que dá. 

Nenhum comentário: