Pages

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Domingo e segunda com labuta e comida

Domingo foi bem sossegado, fiquei trabalhando em casa com pausas para almoçar e jantar.

Eu e a Yuri fomos almoçar em um restaurante vegetariano e vegano chamado Flora, que fica entre as estações de metrô Praça da Árvore e Saúde.





No domingo há as opções "preço único" (R$ 32,90), que inclui comida à vontade, suco e sobremesa ou "por quilo" (nos outros dias da semana só há opção por quilo). Sempre pego comida por quilo, porque sai bem mais barato, mesmo com a sobremesa. É um restaurante prático porque é perto de casa, abre aos domingos e tem comida saudável. Vamos lá com uma certa frequência, sempre que não podemos ou queremos cozinhar.

No jantar fomos comer no TemakiYa. Escolhi o de sempre, um "temakão" (deve ter uns 20 cm) e banchá. A Yuri pegou um temaki e um combo com sushis e sashimis - e eu comi os dois hot rolls que vieram nesse combo porque ela não gosta.


Gosto do TemakiYa (vou sempre na unidade da Vila Mariana, que é a mais perto da Saúde) por causa do temakão, entre outras várias opções, e também porque fecha bem tarde. Sexta e sábado fecha às 5h da manhã e domingo, às 2h. É uma boa opção na madrugada.

Hoje fomos pegar comida no SukiYa porque eu queria muito tomar um matchá (chá verde) com leite e também porque precisava trabalhar e preferi não cozinhar - infelizmente acho que só volto a cozinhar regularmente quando entrar de férias, ou seja, depois do dia 17/12. Peguei um gyudon (carne cozida com shoyu e cebola + arroz branco) com queijo e uma porção de batata frita e a Yuri, um teri-mayo don (frango, ovo cozido, maionese + arroz branco). No site dá para ver o cardápio com fotos e preços. Em termos de custo-benefício, vale a pena.

Nota mental: preciso aprender a fazer machá com leite.

Quando chegamos no prédio, o porteiro avisou que havia um pacote para retirar. Era uma das compras meio impulsivas que fiz na Black Friday, livros que quero ler mas não eram tão urgentes: O gigante enterrado, do Kazuo Ishiguro; Mosquitolândia, do David Arnold; A vida do livreiro A. J. Firky, da Gabrielle Zevin.


Nenhum comentário: